Mais lidas
Ver todos

    Claquete

    Foto por
    Escrito por Andrey Gonçalves
    Publicado em 03.04.2020, 15:34:00 Editado em 03.04.2020, 15:57:13
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Quem está em cima só pensa em si.

    Já os que estão mais embaixo, vivem com uma única esperança: que as sobras, os restos de comida dos de cima sejam o suficiente para que possam comer.

    Os que estão ainda mais abaixo, fazem de tudo para continuarem vivos. 

    A luta humana contra o seu egoísmo, falta de empatia e, principalmente, ganância, pode nos levar do mais alto grau de altruísmo até o, literalmente, fundo do poço.

    Por outro lado, só quando encaramos de cara o nosso pior, podemos atingir o nosso melhor.

    Sim, esse texto é sobre O Poço.

    Foto: Reprodução

    Dirigido por Galder Gaztelu-Urrutia, O Poço (The Platform) é um terror psicológico espanhol lançado pela Netflix em 2020. Seu elenco conta com Ivan Massagué, como Goreng, Zorion Eguileor, como Trimagasi, Antonia San Juan, como Imoguiri, Emilio Buale, como Baharat, e Alexandra Masangkay, como Miharu.

    Goreng é um fumante que deseja parar com o vício, como tantos no mundo. Porém, para conseguir fazê-lo, ele se submete a passar seis meses em uma espécie de prisão, chamada de "O Poço".

    Ao acordar nela, nosso protagonista descobre que está no andar de número 48 da "prisão". No meio da cela, um vão onde se pode ver incontáveis andares, tanto para cima quanto para baixo.

    Os de cima não falam com os de baixo. Uma vez por dia, uma plataforma desce por todos os andares. Nela, a refeição diária. Quem está no primeiro piso, come o que quiser. Os que estiverem abaixo, o que sobrar, e assim por diante.

    Quem está em cima, tem privilégios. No meio, sobras e restos. Para os de baixo, a fome.

    Foto: Reprodução

    Ao ver o mais novo filme da Netflix, que já conta com uma nota 7,0 no IMDB, podemos chegar em diversas abordagens e interpretações. Mas a mais clara, com certeza, é a diferença entre classes sociais.

    Enquanto os que estão lá em cima esbanjam e não pensam nos de baixo, aqueles que estão no fundo poço veem a violência com normalidade, como acontece no dia a dia de muitos.

    Os que vivem na bonança não olham para o andar inferior, fingem que a carnificina diária não existe. Mas quando os papéis se invertem, o anteriormente oprimido, faz o mesmo.

    O Poço é um filme obrigatório para entender um pouco sobre o mundo ao nosso redor, mas principalmente, compreender os cantos mais escuros da humanidade.

     

     

     

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    Acidente envolvendo três carros acontece no centro de Apucarana

    Deixe seu comentário sobre: "Até o fundo do poço"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

    Mais Notícias