Claquete

O Clube dos Cinco

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia O Clube dos Cinco
O Clube dos Cinco

“Sábado, 24 de março, 1984. Colégio Shermer.

continua após publicidade

Caro senhor Vernon, aceitamos o fato de que temos que sacrificar um sábado inteiro de castigo pelo que quer que tenhamos feito de errado. O que fizemos foi errado. Mas achamos que o senhor está louco de nos fazer escrever uma redação dizendo quem achamos que somos. 

O que te interessa? Você nos vê como quer, nos termos mais simples, nas definições mais convincentes. O senhor nos vê como: um cérebro, um atleta, uma neurótica, uma princesa e um marginal. Certo? É assim que nos vemos às 7h da manhã de hoje.

continua após publicidade

Nos fizeram uma lavagem cerebral.”

Há algum tempo atrás, um grande amigo me recomendou este filme, O Clube dos Cinco, dizendo ser um clássico dos anos 80 e que trazia algumas reflexões muito boas. Agora estou escrevendo sobre ele porque meu amigo tinha razão. 

Ele fala sobre sermos quem somos.

Em algumas escolas, para repreender seus alunos, são usadas as famosas detenções. Assim, aqueles que burlarem as leis internas “ganham” um tempinho para pensarem sobre o que fizeram e o porquê.

No dia 24 de março de 1984, cinco adolescentes estão em detenção, tendo como sua tarefa do dia escrever uma redação, de no mínimo mil palavras, sobre o que pensam de si mesmos. 

continua após publicidade

O detalhe é que eles são pessoas completamente diferentes, cada um com sua história e seus motivos para agirem como agem, para levarem a vida que levam.

E este dia será inesquecível para estes jovens. Porque é isso que nos faz crescer como pessoas, o choque com aquilo que é diferente, com aquilo que não estamos habituados.

Nossas diferenças, quando chocadas, nos fazem evoluir.

continua após publicidade

Um filme que fala muito mais do que sobre uma tarde de sábado na detenção. Ele fala sobre a sociedade, sobre as pessoas, sobre as pressões externas e internas que nos bombardeiam o tempo todo. Mas é aí que sua mensagem central entra: não ceda.

Faça o que julga ser certo, não deixe de ser você por causa dos outros, nunca. Isso não vale a pena. Você é único e se continuar contendo seu eu interior por causa dos outros, um dia você não saberá mais quem é.

O clube dos cinco, até o dia 24 de março daquele ano, agiu como os outros queriam. Depois deste choque, não mais.

Ouse ser você.