Cotidiano

Após vitória de Trump, buscas no Google por 'abrigos nucleares' disparam 

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Após vitória de Trump, buscas no Google por 'abrigos nucleares' disparam 
Após vitória de Trump, buscas no Google por 'abrigos nucleares' disparam 

Enquanto os norte-americanos recorrem ao Google com perguntas como "Por que Trump ganhou?” ou “Por que Hillary se vestiu de púrpura”, moradores de outros países parecem estar mais preocupados com uma questão bem diferente:  a possibilidade de apocalipse com uma guerra nuclear sem precedentes

continua após publicidade

É o caso do Reino Unido, onde as pesquisas sobre "abrigo nuclear" dispararam desde que o republicano Donald Trump venceu a democrata Hillary Clinton na corrida eleitoral para a presidência dos Estados Unidos, conforme o The Independent

Uma situação parecida, mas de proporção menor já tine acontecido no Reino Unido logo após a vitória inesperada do sim no referendo do Brexit, quando os britânicos recorreram em massa ao Google para entender o que havia ocorrido.  

continua após publicidade

Agora, no entanto, países distantes como Austrália e Irlanda também estão se somando ao medo generalizado e pesquisando a respeito de abrigos nucleares na Internet. 

Após vitória de Trump, buscas no Google por 'abrigos nucleares' disparam  fonte: Reprodução

Durante a campanha eleitoral nos EUA, parte do eleitorado acusava Trump de ser muito impulsivo para assumir um cargo em que, supostamente, teria o poder de ordenar ataques nucleares. 

continua após publicidade

Sala secreta
Porém, o chefe de Estado só autoriza os lançamentos de mísseis nucleares, que, de fato, são efetuados por dois oficiais militares a partir de uma sala secreta. Embora a decisão deva ser feita em poucos minutos (18 minutos mais precisamente), no processo estão envolvidas muitas pessoas, todas com poder de cancelar o lançamento. Desta forma, supostamente, o presidente dos EUA não pode simplesmente decidir lançar um ataque nuclear apenas por conta própria.

Com informações do The Independent