Paraná

UFPR: suspeitos de aplicar trote violento são afastados

25 estudantes de medicina veterinária foram afastados do campus da UFPR de Palotina

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia UFPR: suspeitos de aplicar trote violento são afastados
fonte: Correio do Ar

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) afastou 25 estudantes de medicina veterinária do campus de Palotina, Paraná, nesta terça-feira (5). Eles são suspeitos de aplicar um trote que causou queimaduras em mais de 20 calouros. Até o momento, o líquido, que estava em uma embalagem de creolina e causou os ferimentos, não foi identificado. 

continua após publicidade

De acordo com as informações da Polícia Civil (PC), quatro veteranos foram presos, porém, três deles já foram liberados após pagamento de fiança e um por decisão liminar da justiça. 

De acordo com a UFPR, os alunos foram preventivamente afastados pelo prazo de trinta dias para apurar os fatos. A medida poderá ser prorrogada por mais trinta dias, se necessário.

continua após publicidade

As vítimas, segundo a instituição, foram dispensadas de frequentar as aulas para realizar tratamento de saúde adequado.

O caso

Aproximadamente 20 calouros da Universidade Federal do Paraná (UFPR),  com sede em Palotina, no oeste do Paraná, sofreram queimaduras durante um trote realizado na tarde de quarta-feira (30).  Conforme a Polícia Militar (PM), os alunos do curso de Medicina Veterinária, foram queimados com creolina, um desinfetante e germicida, com comprovada ação bactericida e fungicida, de uso veterinário.

continua após publicidade

Os estudantes estavam realizando um “pedágio” para pedir dinheiro no centro da cidade, quando um líquido foi arremessado neles. Os jovens sofreram várias queimaduras pelo corpo.

Os calouros informaram aos militares que não tinham o nome das pessoas envolvidas, mas que visualmente conseguiriam realizar a identificação. Os estudantes ainda falaram que os envolvidos no trote mandaram todos fecharem os olhos, se ajoelharem no chão, então o líquido foi arremessado. 

A Polícia Civil informou que trabalha no caso, que vai ouvir as vítimas e identificar os responsáveis pelos ferimentos. Um dos alunos sofreu queimaduras de terceiro grau. Os envolvidos podem responder por tortura e lesão corporal de natureza grave. 

continua após publicidade

Por meio de nota, a UFPR lamentou o ocorrido e se diz indignada com a violência durante o trote. Confira a nota:  

A Universidade Federal do Paraná adota a posição institucional do trote sem violência, na conscientização dos alunos de que a recepção aos calouros deve ser um momento de alegria e integração com os veteranos. A UFPR não tolera nenhum tipo de violência e o episódio infeliz envolvendo calouros em Palotina é um caso isolado. A direção do Setor Palotina já abriu o processo de apuração de responsabilidade sobre esta ação de trote violento que resultou em queimaduras nos calouros.

O Reitor Ricardo Marcelo Fonseca enfatiza: ‘em primeiro lugar me solidarizo com os calouros e suas famílias, que deveriam estar em um momento de comemoração, alegria e não de dor. Porém, ressalto que a UFPR está indignada e que tomaremos rigorosas e imediatas medidas de apuração de responsabilidades, na medida que temos tolerância zero com relação ao trote violento e todas as demais formas de violência física, verbal ou mesmo simbólica’.

O estudante ou membro da comunidade que presenciar qualquer ato violento, discriminatório ou constrangedor com relação à recepção dos calouros pode realizar denúncia pelo telefone 41-984021131 ou por meio dos endereços de e-mail alertatrote@ufpr.br e acolhe.sipad@ufpr.br