Paraná

Pai que teve filha assassinada no PR faz desabafo; veja

Carlos Menezes agradeceu pelas orações e apoio dado à família da jovem, enquanto ela ainda era considerada desaparecida; assista

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Pai que teve filha assassinada no PR faz desabafo; veja
fonte: Arquivo Pessoal
Pai que teve filha assassinada no PR faz desabafo; veja

O pai de Ana Carla Dallacosta de Menezes, de 21 anos, fez um desabafo emocionante sobre a morte da filha, que teve o corpo incendiado no bairro Rebouças, em Curitiba. Carlos Menezes agradeceu pelas orações e apoio dado à família da jovem. 

continua após publicidade

Morador de Rolândia, no norte do Paraná, ele disse que a dor é grande neste momento e que não deseja a nenhum pai e mãe o sentimento de perder uma filha, que tinha envolvimento com drogas. "Deus é testemunha, que sempre lutei. Ninguém sabe a dor que é ver um filho se envolver com essa maldita droga.”

O pai de Ana Clara esteve em Curitiba para tomar as providências necessárias para o translado do corpo da filha, para sepultamento em Rolândia. “Tudo está sendo feito, vou trazer minha filha e vamos dar um enterro digno”, falou o pai no vídeo. Veja: 

continua após publicidade

 Pai que teve filha assassinada no PR faz desabafo; veja - Vídeo por: Reprodução  

O CASO:

Desaparecida desde outubro deste ano, a jovem Ana Carla Dallacosta de Menezes foi encontrada morta em Curitiba. O corpo já havia sido localizado na manhã do dia 10 do mês passado, mas só na sexta-feira (19) foi identificado.

continua após publicidade

Ana era moradora de Rolândia e foi considerada desaparecida após sair de casa informando que iria atrás de um emprego em Maringá. Alguns dias depois, ela teria sido vista em Apucarana.

No entanto, Ana viajou para Curitiba e foi brutalmente assassinada na capital paranaense. O corpo foi localizado em chamas às margens do Rio Belém, na Rua Sérgio Venci, por moradores da região. A Guarda Municipal foi chamada e controlou o fogo.

A Polícia Científica realizou a perícia e contratou que ela pode ter sido morta asfixiada, antes de atearem fogo no corpo.

continua após publicidade

Nos últimos dias, o pai da vítima divulgou nas redes sociais sobre o seu desaparecimento, pois estranhou que ela estava há muitos dias sem se comunicar com a família. Ao descobrir que havia um corpo no Instituto Médico Legal (IML), de Curitiba, que batia com as características de Ana Carla, familiares foram até a capital e com um exame de arcada dentária, conseguiram confirmar que se tratava dela. A família também reconheceu as roupas que ela usava.

A Divisão de Homicídios segue com a investigação para tentar identificar o autor ou autores do crime. A motivação do crime ainda é desconhecida.