Dólar recua ao menor nível em dois meses com ação do BC - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

Dólar recua ao menor nível em dois meses com ação do BC

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O dólar fechou a terça-feira em R$ 5,33, no menor nível em dois meses. A decisão do Banco Central de anunciar na noite de ontem a rolagem de contratos de swap (espécie de venda de dólar no mercado futuro) que vencem em janeiro de 2021 - e somam US$ 11,8 bilhões - e, mais ainda, sinalizar que este valor pode ficar maior, foi fundamental para o real ter hoje o melhor desempenho mundial ante o dólar, em uma cesta de 34 divisas mais líquidas, ressaltam profissionais das mesas de câmbio. No fechamento, a moeda americana terminou em baixa de 1,97%, a R$ 5,3305, menor patamar desde 17 de setembro (R$ 5,23). No mercado futuro, o dólar para dezembro encerrou em queda de 1,56%, em R$ 5,3365.

A mudança de uma frase no comunicado que o Banco Central costuma divulgar sobre rolagens de contratos de swap foi um dos fatores que agradaram as mesas de câmbio. No texto, o BC anunciou a rolagem dos 235.950 contratos que vencem em janeiro e afirmou que "poderá recalibrar o montante ofertado, conforme as condições de mercado". Nos textos anteriores, não havia explicitamente esta possibilidade, destacando apenas que o BC "poderá alterar o lote ofertado a cada dia, ou mesmo acatar propostas em montante inferior à oferta, conforme as condições de demanda".

"O que catalisou a queda no mercado local hoje foi que o BC deixou a porta aberta para recalibrar a oferta de swap", afirma o assessor da Alta Vista Investimentos, Orlando Bachesque. Ele observa que o índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de moedas fortes, operou em queda hoje, o que ajuda a retirar pressão do câmbio doméstico, mas o BC se mostrando mais "ativo" teve peso predominante.

O impacto do comunicado do BC ocorre porque a reta final de cada ano costuma ser historicamente marcada por pressão mais forte no câmbio, com empresas, fundos e outros investidores tendo que comprar dólares para remeter ao exterior, por exemplo, para pagar dividendos. Este ano, este quadro de pressão tende a se agravar por conta da necessidade de os bancos desfazerem as operações de overhedge (proteção cambial em excesso que tem em seus ativos no exterior) para se reenquadrar a nova exigência do BC.

Além do BC, captações externas de empresas, Suzano e B2W, promessa de avanço da agenda econômica no Senado, declarações de compromisso fiscal do governo e discursos de dirigentes do bancos centrais contribuíram para o dia de alívio no câmbio. Apesar do alívio hoje, persistem as preocupações dos agentes com a situação fiscal do Brasil. Pesquisa do Bank of America feita este mês com investidores de América Latina aponta que, para 63% deles, a deterioração fiscal é o maior risco de cauda para o Brasil. A proporção cresceu desde outubro, quando era de 58%.

A pesquisa do BofA mostra que aumentou o otimismo com o real. Para a maioria dos investidores ouvidos, é a moeda da América Latina que terá melhor desempenho ante o dólar nos próximos seis meses. Para 65% dos investidores, o dólar deve encerrar 2020 abaixo de R$ 5,30 ante 27% do levantamento feito em outubro.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Dólar recua ao menor nível em dois meses com ação do BC"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.