Cotidiano

Mulher que teve 88% do corpo queimado se torna modelo

"Ninguém é mais nem menos que o outro, somos todos iguais"

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Mulher que teve 88% do corpo queimado se torna modelo
fonte: Reprodução/Garrahan
Mulher que teve 88% do corpo queimado se torna modelo

Uma tragédia de infância não impediu uma jovem argentina de realizar o seu sonhos. Brisa, de 21 anos, teve 88% do corpo queimado quando tinha sete meses de idade, em um incêndio que atingiu o quarto em que dormia. 

continua após publicidade

As chamas afetaram regiões sensíveis de seu corpo, como, por exemplo, a cabeça e os braços - um deles precisou ser amputado. Ela foi encaminhada ao hospital Garrahan, instituição que salvou sua vida.

A jovem determinada não se abalou com os prognósticos dos médicos. "Me olho no espelho hoje e gosto de mim", conta Brisa ao site do hospital, onde vai com frequência para contar sua história. 

continua após publicidade

Aos 21 anos ela coleciona uma série de medalhas como corredora que conquistou nos Jogos Nacionais Evita, competição criada em 1948 pelo governo da Argentina, voltada a crianças e jovens

Além disso, Brisa quis conhecer "novos caminhos", ter outras experiências e, por conta disto, decidiu se tornar modelo. 

A mulher iniciou sua carreira em 2020, em meio a pandemia de Covid-19, logo após postar uma foto nas redes sociais. A publicação viralizou por toda Argentina. Ela foi convidada para participar de um concurso de Miss Belleza Mundial. 

continua após publicidade

Na competição, a primeira do tipo que participou, ela recebeu três reconhecimentos: o prêmio de foto mais votada nas redes, o de miss simpatia e o de mulher forte.

Além disso, ela foi contratada por uma agência de modelos em sua cidade natal, Salta, para seguir com o sonho e poder se dedicar profissionalmente a ele.

A modelo disse que os olhares de estranhos a acompanharam por toda a vida, mas aprendeu a superar a vergonha para acabar com a estigmatização.

continua após publicidade

Com os anos, ela conta ter aprendido a responder à discriminação: "Eu retribuo o olhar até que parem de encarar."

"Ninguém é mais nem menos que o outro, somos todos iguais", afirmou a jovem.

Com informações; G1.