Cotidiano

Caso Tatiane Spitzner: Defesa abandona sessão e julgamento

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Caso Tatiane Spitzner: Defesa  abandona sessão e julgamento
fonte: Reprodução
Caso Tatiane Spitzner: Defesa abandona sessão e julgamento

O júri popular de Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a mulher, Tatiane Spitzner, foi encerrado após a defesa do réu abandonar a sessão, por volta de 12h40 desta quarta-feira (10). Os advogados alegaram ter o "trabalho cerceado" depois de uma decisão do juiz que não permitiu o uso de um vídeo como prova da defesa. Esta é a terceira vez que o julgamento é adiado.

continua após publicidade

Com a decisão, o júri - grupo de pessoas que iriam dar o veredito do caso - foi dissolvido. Desta forma, quando houver um novo julgamento, haverá novo sorteio para definir as pessoas que farão parte do júri popular. O juiz ainda definirá uma nova data para o julgamento.

Inicialmente marcado para 3 e 4 de dezembro, o julgamento foi adiado para 25 de janeiro, após um advogado de defesa do réu ser diagnosticado com Covid-19.

continua após publicidade

A segunda remarcação do júri ocorreu após pedido da defesa do réu por incompatibilidade de datas. Preso há dois anos e seis meses na Penitenciária Industrial de Guarapuava, Manvailer é acusado de homicídio qualificado - com as qualificadoras de feminicídio, motivo fútil e morte mediante asfixia. Ele também responde por fraude processual.

Abandono de sessão

O abandono da sessão aconteceu por volta de 12h40 durante o depoimento da primeira testemunha de acusação. A sessão havia começado por volta das 9h20, no Fórum de Guarapuava, na região central do Paraná.

continua após publicidade

Os advogados de defesa afirmaram ter "o trabalho cerceado" uma vez que o juiz não autorizou o uso de um vídeo da portaria do prédio onde aconteceu o crime como prova. O juiz afirmou que o material não consta nos autos do processo e negou que o vídeo fosse exibido.

A defesa afirma que o vídeo "faz parte dos autos e está dentro da legalidade" e que teve "indeferido o direito de mostrar as imagens de tudo que ocorreu".

Apesar do abandono de sessão, Claudio Dalledone Júnior permanece como advogado do réu. Ele disse ainda que a defesa está "pedindo assistência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)".

continua após publicidade

Após a ação dos advogados, o juiz considerou "abandono injustificado de plenário" e aplicou multa de 100 salários mínimos a cada advogado da defesa e afirmou que a ação é "uma afronta ao processo, ao réu e à Justiça".

O advogado da família de Tatiane Spitzner, Gustavo Scandelari, afirmou que o ocorrido foi "uma manobra da defesa" e que é "uma postura lamentável porque gera prejuízo aos cofres públicos com toda a movimentação dos servidores, dos jurados, testemunhas e de todos os envolvidos".

continua após publicidade

Na manhã desta quarta-feira, Manvailer chegou ao fórum em um carro do Departamento Penitenciário do Paraná por volta das 8h30.

No local, familiares e amigos de Tatiane fizeram um protesto pedindo a condenação do réu.

O sorteio dos membros do júri popular abriu o julgamento, por volta das 9h20. Foram sorteadas sete pessoas para o conselho de sentença, ficando o júri formado por seis homens e uma mulher.

continua após publicidade

Manvailer entrou na sala do julgamento para acompanhar o depoimento das testemunhas de acusação e defesa.

Por volta das 10h50, começou o depoimento da primeira testemunha, de acusação, por videoconferência.

Foi durante o depoimento da primeira testemunha que a defesa abandonou a sessão.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, o julgamento estava restrito para presença das partes envolvidas no processo.

Com informações, G1

Tags relacionadas: #CASO #DEFESA #SPITZNER