Mais lidas
Cotidiano

Livro sobre lenda dos Protocolos de Sião ganha versão em português

.

DIOGO BERCITO

MADRI, ESPANHA (FOLHAPRESS) - Quando "Os Protocolos dos Sábios de Sião" foram publicados na Rússia em 1903, ninguém bradava "fake news!" para se referir a notícias falsas, como se faz hoje.

Mas eram falsas as notícias do livro sobre uma conspiração judaica para dominar o mundo, o que não impediu seu uso pelo nazismo para justificar o assassinato de 6 milhões de judeus.

Esse embuste é narrado no livro "A Força da Mentira", lançado nesta quarta (22). A obra da israelense Hadassa Ben-Itto, de 1998, foi traduzida para 11 línguas, mas ainda era inédita em português.

Ben-Itto, 91, conta uma história de um século atrás, mas a ideia de uma falsidade que tem poder mesmo após desmentida é um tema bastante contemporâneo. A própria tese de uma conspiração judaica continua a fomentar o crescente antissemitismo.

"'Fake news' virou coisa da moda, mas os protocolos são 'fake news' há cem anos", a autora disse à reportagem. "Líderes políticos ainda utilizam a tese da trama judaica, como os nazistas fizeram."

Nascida na Polônia, Ben-Itto foi juíza por 31 anos em Israel, período em que se deparou inúmeras vezes com histórias sobre os "Protocolos dos Sábios de Sião", livro que forja as minutas de uma inexistente reunião de judeus sobre a dominação mundial.

Aos poucos, ela passou a incomodar o fato de uma mentira sobre os judeus perdurar tanto. Decidiu antecipar a aposentadoria e viajar pelo mundo para investigar a história dos protocolos.

Seis anos depois, publicou o best-seller ("sem linguagem acadêmica, para ser lido").

"Lidei com muitos fatos enquanto era juíza, e sei que são importantes", disse à reportagem. "Mas o que fazer quando os fatos são pervertidos? A única solução é dizer a verdade."

A publicação de "A Força da Mentira" foi financiada coletivamente a partir do projeto da jornalista brasileira Miriam Sanger, baseada em Israel. O livro integraa nova linha da Educ dedicada a temas judaicos. A PUC-SP tem há sete anos cátedra na área.

O presidente da cátedra e chefe da editora, José Luiz Goldfarb, foi dono da livraria Belas Artes, fechada em 2006, e se lembra de quando "pessoas sacanas entravam pedindo o livro" como forma de provocação. "Uma mentira como a dos protocolos teve um impacto enorme na história do século 20", disse.

A obra da juíza Ben-Itto, nesse sentido, trata da persistência dessas falsidades. Os protocolos, afinal, ainda estão à venda --a descrição na loja da Amazon não explicita que a história é falsa, e diz que "o leitor poderá elaborar a sua própria conclusão".

"Por mais que uma mentira seja desmentida, ela sobrevive", diz Goldfarb. Há então o debate: "Será que a liberdade de expressão se sobrepõe a um discurso mais efetivo do que as armas?"

"A Força da Mentira"

Autora Hadassa Ben-Itto

Editora Educ

Quanto R$ 81 (480 págs.)

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber