Cotidiano

Criança desacompanhada embarca em voo para Vitória e vai parar em Curitiba

Da Redação ·
Pai da criança está indignado com o ocorrido. Foto: Reprodução
Pai da criança está indignado com o ocorrido. Foto: Reprodução

Uma criança de seis anos, que viajava desacompanhada, embarcou para um voo para Vitória, no Estado de Espírito Santo, foi parar por engano em Curitiba, no Paraná. Indignado com o erro provocado pela companhia aérea, o pai da criança, universitário Wanderson Romão, 32 anos, se manifestou por meio de um cartaz escrito “meu filho não é mala para ser extraviado”.

continua após publicidade

Segundo ele, a empresa Gol oferece um serviço diferenciado para que menores possam viajar sozinhos. O serviço custa R$ 100, fora as passagens de ida e volta da criança que custaram R$ 750, incluindo as taxas. 

A criança iria para Vitória para comemorar o aniversário do pai. No entanto, por conta do imprevisto a festa teve que ser adiada. De acordo com Wanderson, o voo do filho estava marcado para as 17h de sexta-feira (2), com chegada prevista no aeroporto de Vitória por volta das 18h. O menino foi entregue pela mãe a uma comissária de bordo da empresa aérea. 

continua após publicidade

Ainda segundo o pai, a companhia aérea chegou a mandar um e-mail informando que o embarque tinha sido realizado e que o voo chegaria no horário previsto. No aeroporto e no horário marcado para o desembarque, Wanderson percebeu que algo estava errado quando todos os passageiros saíram do avião os o filho dele. 

O universitário disse que foi até o balcão pedir informações, no entanto, ninguém tinha informações. Então ele decidiu avisar a polícia,

Depois de quase uma hora de aflição, o professor foi informado pela Gol que a criança tinha sido levada para a capital paranaense. 

continua após publicidade

Em nota, a companhia aérea Gol pediu desculpas aos familiares e ao menor pelo ocorrido e esclareceu que houve uma falha no procedimento de embarque da criança, ocasionando a troca do voo.

A companhia aérea reforçou que a todo momento o menor esteve assistido por um colaborador da empresa e que imediatamente manteve contato com a família para prestar a assistência necessária. A empresa ressaltou que adotará medidas para evitar que situações como essa voltem a acontecer