Apucarana

Violência de tiroteio surpreende polícia de Apucarana

“Estou em Apucarana desde 2016 e acho que não vi, antes, uma ação criminosa tão violenta quanto essa. Poderia ter atingido outras pessoas”, disse o delegado da cidade.

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A 17ª SubDivisão Policial de Apucarana está intensificando as investigações para elucidar o duplo homicídio ocorrido na tarde de domingo(27), em Apucarana. O delegado-chefe, Marcus Felipe da Rocha Rodrigues diz que são várias as linhas de investigação em andamento, que devem se afunilar nas próximas horas, conforme ocorrem as oitivas de vítimas e testemunhas e a polícia consiga averiguar as informações. “Inicialmente, a gente acredita, até pelas pessoas envolvidas, que isso possa ter sido decorrente de uma disputa por ponto de tráfico de drogas ou um acerto de contas por conta dívidas do tráfico. Mas isso ainda muito preliminarmente”.

continua após publicidade

O crime ocorreu no início da tarde, na Avenida Aviação, no Jardim Colonial. Pelo menos três homens chegaram em uma loja de conveniência e começaram a fazer vários disparos. Um homem, Julio Cesar de Oliveira, 39 anos, conhecido como Cesinha, que seria o alvo da execução, morreu ainda no local. Paulo Roberto Neves da Silva, 34 anos, chegou a ser socorrido, mas morreu na ambulância, antes de chegar ao Hospital. Outras três pessoas foram feridas na ação. “Estou em Apucarana desde 2016 e acho que não vi, antes, uma ação criminosa tão violenta quanto essa. Poderia ter atingido outras pessoas”, diz o delegado.

Além dos dois óbitos, a ocorrência teve mais três pessoas feridas por armas de fogo. “Uma pessoa morreu no local, a outra morreu na ambulância, e foram localizados três alvejados, em fuga inclusive. A PM localizou eles, acionou o Samu para os primeiros atendimentos”, resumiu o delegado.

continua após publicidade

“É uma situação atípica, uma ação criminosa violenta, com vários disparos. Não tem como precisar nem o número de disparos ainda. Mas a perícia conseguiu coletar estojos das munições deflagradas” explicou Marcus Felipe, que também espera informações sobre a perícia nos veículos envolvidos, bem como das necropsias realizadas.

O delegado destaca que a prioridade das investigações, nesta fase inicial do inquérito instaurado, é levantar mais informações que permitam esclarecer algumas circunstâncias da ação criminosa e do envolvimento das pessoas atingidas. “A divisão de homicídios, a criminalística, enfim, toda a equipe já intensificou os trabalhos para identificar e qualificar os responsáveis por essa ação criminosa”, reitera o delegado. Segundo ele, nessa fase, as informações de testemunhas, eventuais denúncias anônimas pelo fone 181, “são fundamentais para a investigação. E a gente verifica cada uma delas”.

O delegado informou na manhã desta segunda-feira (29) que pretendia ouvir, ainda durante o dia, um dos feridos no episódio, um homem que tinha um mandado de prisão contra ele, por pensão alimentícia, e que foi encaminhado à SDP depois de receber alta no hospital, após atendimento. Ele informou que também pretende ouvir os outros dois feridos, que estavam em atendimento hospitalar ainda, tão logo seja possível.

continua após publicidade

Preliminarmente, conforme assinala o delegado, acredita-se que o alvo da ação tenha sido Julio Cesar de Oliveira, 39 anos, já conhecido da Polícia. A outra vítima fatal da ocorrência, Paulo Roberto Neves da Silva, 34 anos, a princípio, não teria chegado à loja de conveniência com a outra vítima. “Mas são informações ainda muito preliminares. A gente não pode afirmar com certeza sobre essa situação, de que segunda vítima não estaria junto com a primeira”, ressalta o delegado.

MENOR

continua após publicidade

Um outro ferido na ocorrência, seria um menor de idade, que foi atendido pelo Samu e encaminhado ao hospital da Providência, onde teria passado por cirurgia, ainda no domingo. Até a tarde desta segunda-feira ele permanecia internado em tratamento. A unidade hospitalar não deu informações sobre o estado clínico dele.

Assista a entrevista do delegado-chefe da 17a SDP  Marcus Felipe da Rocha Rodrigues:

  null - Vídeo por: Reprodução  

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News