Apucarana

Vídeo mostra começo de briga que terminou em morte em Apucarana

O delegado Felipe Ribeiro Rodrigues informou que o principal suspeito envolvido na briga com a vítima já está identificado; saiba mais

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
A gravação é analisada pelos investigadores
fonte: TNOnline
A gravação é analisada pelos investigadores

Um vídeo que circula em grupos de WhatsApp desde a noite de terça-feira (21), mostra o começo da briga que terminou com a morte do adolescente Alekson Ricardo Kongeski, de 13 anos, em Apucarana, no norte do Paraná. 

continua após publicidade

Uma pessoa que acompanhava a briga, que aconteceu no Jardim Ponta Grossa, registrou parte da ação. No vídeo, é possível perceber que um garoto empurra o outro, que revida com socos. 

A gravação ainda mostra outros garotos incentivando as agressões. O vídeo é curto e após essa briga entre o adolescente que morreu e o outro jovem, a confusão fica mais intensa. A Polícia Civil acredita que Alekson, que tinha crises convulsivas, passou mal e caiu desacordado no chão. Ele chegou ser socorrido, porém, morreu dentro da ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). 

continua após publicidade

A gravação é analisada pelos investigadores e a polícia busca por outros vídeos que possam ajudar no caso. VEJA:    null - Vídeo por: Reprodução

-LEIA MAIS: Garoto que morreu após briga em Apucarana sonhava em ser policial

O delegado adjunto da 17ª Subdivisão Policial (SDP), Felipe Ribeiro Rodrigues, responsável pela apuração do Caso Alekson informou que a principal linha investigativa da Polícia Civil ainda considera a morte do estudante provocada por um mal súbito decorrente da briga. Segundo disse, em entrevista à Tribuna na manhã desta quarta-feira (22), após ouvir três adolescentes envolvidos nos fatos e algumas testemunhas,  “não há indícios que mostrem que houve intenção de matar”, diz o delegado.

continua após publicidade

Conforme o delegado, pelo que havia sido apurado até essa quarta-feira (22), é que um grupo de seis adolescentes, entre 12 e 15 anos, está envolvido nos fatos. “Houve uma briga e pelo que se apurou por motivos banais, da rotina juvenil. Todos são jovens que se conhecem, moram no mesmo bairro e talvez frequentem a mesma escola”, disse.

A partir dos depoimentos já ouvidos pela Polícia Civil, Alekson teria entrado em briga com um dos adolescentes no grupo, que estaria em desvantagem. Um terceiro adolescente teria, então, tomado as dores desde outro garoto e iniciado a briga com Alekson e, durante essa sequência da briga, a vítima teria caído no chão, desacordada, quando todos os garotos teriam fugido.

-LEIA MAIS: IML finaliza exame em corpo de adolescente que morreu em Apucarana

continua após publicidade

De acordo com o delegado, havia uma desavença entre a vítima e o menor suspeito e outros envolvidos que estimularam o entrevero. “Mas a briga ocorreu, de fato, entre os dois. Não envolveu vários contra um. Os outros estavam estimulando. E não foi usado qualquer objeto, como pau ou pedra, ou mesmo alguma arma na briga. Por isso, pelos indícios, a provável causa mortis não seja algum trauma decorrente da briga”.

-LEIA MAIS: Caso Alekson: comissão de direitos humanos da Seed virá a Apucarana

AUTOR JÁ FOI IDENTIFICADO

O delegado Felipe Ribeiro Rodrigues informou que o principal suspeito envolvido na briga com a vítima já está identificado. “Já temos o nome dele, sabemos onde mora, onde estuda”, diz o policial. “Inclusive utilizamos os canais de imprensa para pedir para que os familiares levem o adolescente a se apresentar voluntariamente para ser ouvido”, afirma o delegado. Sem isso, esclarece, caso o suspeito não se apresente voluntariamente, a Polícia Civil “vai tomar as medidas enérgicas para que ele seja ouvido. Mas esperamos que não seja necessário isso”. O policial explica ainda que já na noite de terça-feira (21), a polícia tentou localizar o adolescente diretamente envolvido na briga com Alekson, mas não foi possível. “Vamos agir de forma célere a com muito cuidado para esclarecer os fatos”, afirma o delegado adjunto da 17ª SDP.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News