Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dispositivo em cemitério detecta se pessoa foi enterrada viva; saiba como

Loading...

EM CURITIBA

Dispositivo em cemitério detecta se pessoa foi enterrada viva; saiba como

- Atualizado em 02/10/2016 07:20
Dispositivo que avisa se a pessoa sepultada está viva foi patenteado pelo Cemitério Vertical, em Curitiba - Foto: Divulgação/Banda B

Um dispositivo exclusivo, patenteado pelo Cemitério Vertical de Curitiba, detecta se uma pessoa foi enterrada viva e viabiliza meios para salvá-la. O “detector de vida” tem um sensor, que é acionado se o corpo não entra em decomposição, e possui uma tubulação que leva o oxigênio para dentro da urna mortuária.

“Essa ideia surgiu do meu amigo Nelson Fernandes, que ficou preocupado com o caso do ator Sérgio Cardoso, que supostamente sofria de catalepsia, uma doença em que os sinais de vida ficam muito reduzidos, a ponto de acharem que ele havia morrido”, contou o diretor do Cemitério Vertical, Carlos Camargo, em entrevista ao radialista Geovane Barreiro durante o Jornal da Banda B 2ª Edição desta quinta-feira (29), reproduzida pelo portal Banda B. Fernandes se aprofundou no assunto por meio da obra “Os Enterrados Vivos”, de Peron-Autret.

“A partir daí ele fez uma pesquisa, que indicou que de cada 100 pessoas, quatro eram enterradas vivas. Por isso, pensamos em desenvolver um mecanismo para ter certeza do óbito e dar mais conforto às famílias”, relatou Carlos Camargo. O diretor do cemitério detalhou ainda que o sensor ‘enche’ com os gases que saem dos cadáveres quando estão em decomposição. Se há possibilidade de vida, o sistema fica vazio e não se mexe. Uma sirene, então, é ativada para avisar os responsáveis pelo cemitério.  

72 horas “Se em 72 horas o corpo ainda não apresentou sinais de decomposição e o alarme não tocou, nós temos uma carência de seis horas e, então, checamos a urna. Somos o único lugar no mundo que pode abrir a gaveta antes do prazo legal, que aqui é de três anos”, frisa. Camargo relata ainda que uma tubulação conduz o oxigênio para a pessoa dentro do caixão até ela ser resgatada. Para tirar dúvidas ou saber mais sobre o mecanismo, basta ligar para o número 0800-416-902. 

Em Londrina
O caso de Milton Alves de Souza, de 68 anos, ocorrido em Londrina (norte do Paraná) ganhou repercussão nacional depois que ele teve morte constatada, mas demonstrou sinais vitais enquanto o corpo era preparado para o velório. Ele foi vítima de parada cardiorrespiratória na terça-feira (27) e não resistiu. 

Com informações do portal Banda B

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56