Tribuna do Norte Online
Saiba Agora
Últimas notícias
    Você está em

    Região

    Manifestações prestam homenagens à bailarina morta em Maringá e pedem pelo fim da violência contra as mulheres

  • Foto por
    Escrito por Redação
    Publicado em 01/02/2020 Editado em 01/02/2020

    Sete dias depois da morte da bailarina Maria Glória Poltronieri Borges, que foi assassinada na área rural de Mandaguari, manifestações pedindo o fim da violência contra mulheres são realizadas em Maringá, no norte do Paraná, e em Curitiba, neste sábado (1°).


    O corpo de Maria Glória, que tinha 25 anos, foi encontrado no domingo (26) perto de uma cachoeira, com sinais de violência sexual, de acordo com a Polícia Civil. Além de ser bailarina, ela era estudante universitária e professora de capoeira.


    Foto: Reprodução


    Conforme apurado pela RPC com o delegado que investiga o caso, a bailarina foi estrangulada e tentou se defender antes de ser morta. O corpo foi encontrado cerca de dez horas depois do homicídio.


    A irmã de Maria Glória foi quem encontrou o corpo em uma trilha. A família contou que bailarina ia até essa cachoeira com frequência e, que no sábado (25), decidiu acampar em uma chácara para rezar e se conectar com a natureza. 


    Manifestação


    Em Maringá, centenas de pessoas, entre elas familiares e amigos de Maria Glória, se reúnem na praça da prefeitura. A manifestação quer chamar a atenção para número de casos de feminícidio no estado, pedir por mais segurança às mulheres e, dessa forma, evitar novas mortes de mulheres.


    O ato na cidade maringaense terá apresentações artísticas e depois o grupo fará uma passeata até Catedral, onde ocorrerá a missa de sétimo dia da bailarina.


    Foto: Reprodução


    Protesto na capital paranaense


    Simultaneamente a manifestação em Maringá, em frente ao Teatro Guaíra, em Curitiba, várias pessoas se reúnem para homenagear Maria Glória e também para pedir pelo fim do feminicídio.


    Os participantes fazem discursos de combate à violência de gênero. Durante uma intervenção artística distribuíram sementes de girassóis, a flor era uma das preferidas da bailarina maringaense.


    Por, G1



    Máquina e sistema facilitam a confecção de próteses

    Máquina e sistema facilitam a confecção de próteses

    TNTV

    Máquina e sistema facilitam a confecção de próteses

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!

    Deixe seu comentário sobre: "Manifestações prestam homenagens à bailarina morta em Maringá e pedem pelo fim da violência contra as mulheres"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

    Principais matérias