Vale do Ivaí

Região tem potencial de consumo de R$ 12,1 bi

A capacidade de compra dos moradores da região aumentou este ano

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Região tem potencial de consumo de R$ 12,1 bi
fonte: Pixabay\ ilustração
Região tem potencial de consumo de R$ 12,1 bi

A capacidade de compra dos moradores da região aumentou este ano. Estudo do IPC Maps 2021 prevê que os habitantes dos 26 municípios do Vale do Ivaí mais Arapongas devem gastar um total de R$ 12,106 bilhões no decorrer do ano, um consumo 10,4% maior que o do ano passado, R$ 10,961 bilhões. 

continua após publicidade

Apucarana, cidade mais populosa da região, lidera o ranking regional com R$ 3,886 bilhões, ocupando a 12ª colocação a nível estadual. Segundo a pesquisa do IPC, a capacidade de compra do município deve ser 15,3% maior que em 2020. 

O estudo também estima aumento de 4,6% no potencial de consumo dos habitantes de Arapongas, que pode passar de R$ 3,399 bilhões para R$ 3,556 bilhões. Ivaiporã é o terceiro município da região com a melhor capacidade de compra, R$ 761,55 milhões, 4,7% a mais que o ano passado, quando registrou R$ 727 milhões. Em seguida aparece Jandaia do Sul, que poderá ter o maior aumento da região, 23,2%. De acordo com os dados do IPC Maps, o potencial de consumo dos jandaienses pode ser de R$ 682,56 milhões este ano, contra R$ 554 milhões do ano passado. Para Faxinal a estimativa é de crescimento de 15,9% com potencial de R$ 389,73 milhões. 

continua após publicidade

Em dois municípios da região o potencial de consumo encolheu. Ano passado, Marilândia do Sul R$ 171 milhões e passou passa R$ 169,68 este ano. Mauá da Serra 199 para 198,56. 

Para o economista Paulo Cruz, professor da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), campus de Apucarana, o auxílio emergencial do governo teve grande influência no potencial de consumo da região. A manutenção do benefício, mesmo que em valor menor, é um fator importante para que o poder de consumo continue crescendo. Outro fator que pode assegurar este cenário positivo, é a produtividade de alguns setores. “O principal setor é o agronegócio. Já o vale do Ivaí caminha para a produção da safrinha. Então, para que a previsão se confirme, a produtividade colhida na safrinha precisa ser boa e o potencial de emprego da indústria precisa seguir crescendo”, analisa. 

O economista destaca ainda as condições que propiciam o crescimento contínuo do maior município do Vale do Ivaí que liderou o ranking regional. Segundo Cruz, Apucarana está se tornando cada vez mais regionalizada, com possibilidade de ampliação da indústria em virtude do espaço geográfico mais barato que Arapongas, Londrina e Maringá. “Isso favorece a escolha de Apucarana pela localização geográfica, pela boa infraestrutura, terrenos comparativamente mais baratos e por acolher uma grande população do Vale do Ivaí em seu comércio”, assinala.