Vale do Ivaí

Milho deve movimentar mais de R$ 1 bilhão na região de Ivaiporã

A previsão é de 806 mil toneladas do grão na regional, ou seja, 13.4 milhões de sacas de 60 quilos

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A colheita do milho segunda safra nos 15 municípios da área do Núcleo Regional da Seab de Ivaiporã deve começar nos próximos dias, e as expectativas são animadoras. Com área plantada de 115.135 hectares, a projeção do Departamento de Economia Rural (Deral) é de que seja colhida uma supersafra. A previsão é de 806 mil toneladas do grão na regional, ou seja, 13.4 milhões de sacas de 60 quilos.  Em média 282 sacas por alqueire.

continua após publicidade

Com os preços de mercado atual R$ 80,40 a saca, e caso as projeções sejam confirmadas o milho safrinha deve movimentar na regional R$ 1.076 bilhão.  

Conforme o engenheiro agrônomo Sérgio Carlos Empinotti, do Deral da regional de Ivaiporã, o volume de chuvas está favorável e bem distribuído, diferente da temporada de 2021, quando houve quebra da safra por conta da estiagem e de geadas.  

continua após publicidade

Na época o grão havia sido semeado em 89 mil hectares, sendo colhido apenas 122 mil toneladas, ou seja, 2 milhões de sacas. Comercializado em média à R$ 73,00 a saca, rendeu aos produtores da região pouco mais de R$ 110 milhões.

“De todo o milho plantado hoje 70% está praticamente salvo, em fase de início de maturação, (sem risco de perder com geadas futuras), falta uns 30%, um pouco de floração, final de floração e desenvolvimento vegetativo já acabou também. Pela época de plantio os grãos serão um pouco menores, mas as espigas estão cheias e os grãos estão sadios”.

Ainda segundo Empinotti, é a maior safra de milho safrinha da história da regional.  “Com isso o Vale do Ivaí volta a produzir milho como antigamente. Principalmente na questão safrinha, e até mesmo superando os números da safra normal do passado”.

Empinotti acredita que mesmo com a boa produção os preços devem se manter nesse patamar. No longo prazo, o cenário de oferta mundial de milho está apertado e será preciso até três safras para estabilizar o quadro de oferta impactado por quebras de produção como a do ano passado e as incertezas relacionadas ao escoamento da produção da Ucrânia, grande exportador mundial. 

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News