Pandemia aumenta violência doméstica em Ivaiporã - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

ISOLAMENTO DOMICILIAR

Major Élio  Boing
Foto por TN Online
Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Os atendimentos da Polícia Militar (PM) de Ivaiporã à ocorrências de violência doméstica aumentaram 70%, desde março, quando houve o primeiro fechamento do comércio por conta do novo coronavírus. Relatório divulgado esta semana pela 6ª Companhia Independente da Polícia Militar (6ª CIPM) mostra que de 01 de março a 30 de junho foram registradas 260 ocorrências, no mesmo período de 2019 foram 153. Apesar o aumento das denúncias, a PM diz que ainda há muita subnotificação de casos. 

Conforme o comandante da 6ª CIPM, major Élio Boing, embora os números acumulados de violência demonstrem aumento das ocorrências, ainda não refletem a real situação que é muito maior. “Há muita subnotificação, por vários fatores muitos casos deixam de ser registrados. Principalmente, porque muitos toleram a violência na esperança que aquilo não volte a se repetir”, avalia.

Por outro lado, as vítimas também podem sentir medo de denunciar os parceiros, devido à proximidade que agora têm deles, em virtude das medidas de quarentena ou isolamento social. “Outra dificuldade de se procurar o auxílio policial, é a vergonha. Até mesmo porque este auxilio acaba gerando uma repercussão, e os vizinhos acabam tendo conhecimento do que ocorre no lar daquela pessoa”.

Ainda segundo major Boing, mesmo em determinadas situações onde a violência é tão gritante, que os próprios vizinhos se incomodam e acabam acionando a PM, muitas vezes as vítimas preferem não representar contra o autor. “Até mesmo porque com a chegada da viatura a pessoa que estava praticando a violência deixa de fazer, e se posta de uma forma de vitimização, de arrependimento, de choro naquele momento. O que acaba convencendo a outra pessoa que as coisas a partir daquele momento acabariam mudando, com a vítima optando pelo não prosseguimento das medidas judiciais”, diz.

Município oferta canal de atendimento

O psicólogo Roniel Bora Delli Colli do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) de Ivaiporã diz que o crescimento dos casos de violência está associada a ansiedade do isolamento domiciliar. “O humano é um ser social, que quer viver em grupos, ter amigos para conversar, e o fato de ficar isolado em um grupo pequeno intrafamiliar faz com que o comportamento comece a mudar. A convivência intensa e a tensão do momento contribui para que o número de casos de violência doméstica aumentem ou piorem”.

Roniel lembra que  Ivaiporã tem alguns canais para denúncia e acompanhamento, um deles, é o “Situação de Violência, via  WhatsApp através do número (43) 99977-5493. O atendimento é das 8 às 17 horas, de segunda a sexta-feira, e é realizado por psicólogos e assistentes sociais. “Geralmente a pessoa vítima de violência está em situação vulnerável e não tem a quem recorrer.  O que a gente faz é realizar a primeira acolhida ver qual a situação dela, se é um caso de polícia num primeiro momento, saúde ou alguma outra situação”.

Outro canal de apoio por intermédio do Departamento Municipal de Saúde, é o atendimento psicológico via aplicativo WhatsApp (43) 98483-3084.  Para pessoas que se encontram angustiados devido à pandemia e com a necessidade de conversar.

 

Deixe seu comentário sobre: "Pandemia aumenta violência doméstica em Ivaiporã"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.