Vale do Ivaí

Dezoito prefeitos do Vale participam da Marcha a Brasília

Prefeitos de todo País se reúnem a partir de segunda-feira no Distrito Federal para discutir demandas

Da Redação ·
Prefeito de Ivaiporã, Carlos Gil
fonte: TNonline/arquivo
Prefeito de Ivaiporã, Carlos Gil

Pelo menos 18 prefeitos das 26 cidades que integram a Associação dos Municípios do Vale do Ivaí (Amuvi) deverão participar da 23ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios que será realizada a partir deste dia 25 de abril (segunda-feira) até o dia 28 (quinta-feira). As atividades estarão concentradas no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB). Cerca de 200 prefeitos do Paraná já confirmaram presença, conforme levantamento feito pela Associação dos Municípios do Paraná (AMP).

continua após publicidade

A comitiva do Vale do Ivaí tem à frente o presidente da Amuvi e prefeito de Ivaiporã, Luiz Carlos Gil (PSD). Ele acredita que pelo menos 3 mil prefeitos do Brasil, além de vereadores, estarão presentes neste que promete ser o maior movimento municipalista da sua história, segundo avalia a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

“Nossa expectativa para este encontro em Brasília é bastante positiva, uma vez que se trata de um ano eleitoral em que os municípios poderão apresentar suas demandas ao atual governo, aos ministros e aos presidenciáveis que pretendem disputar as eleições deste ano”, afirma Carlos Gil.

continua após publicidade

Entre as demandas municipalistas que serão debatidas neste encontro, o presidente da Amuvi cita a necessidade urgente da reforma tributária, que possa promover uma melhor e mais justa distribuição da arrecadação de impostos e tributos entre a União, os Estados e Municípios. Ele observa que hoje pelo menos 80% desta arrecadação fica com a União e os Estados, restando apenas 20% para os municípios. “Todos sabem que são nos municípios onde a população vive e exige melhor qualidade de vida”, afirma Carlos Gil, observando que essa cobrança cai sempre e principalmente aos prefeitos.

Neste aspecto, Carlos Gil acrescenta que outra reivindicação do movimento municipalista é no sentido de que o governo federal não crie programas conferindo mais encargos aos municípios. Se criar, que apresente fonte de recursos para cobrir os custos, tirando esta responsabilidade das prefeituras.

Um dos pontos altos da marcha será a entrega da pauta municipalista, da apresentação das propostas e dos questionamentos dos prefeitos junto aos pré-candidatos a presidente da República nas eleições de outubro de 2022.