TribunaPlay

Donas de bar falam sobre ataques homofóbicos em Apucarana

Da Redação · Stephany Haidamak e a esposa Nayane Codina, que são sócias-proprietárias do bar localizado em Apucarana e que recentemente sofreram ataques homofóbicos, falaram sobre o assunto nesta quinta-feira (17). Em entrevista para o site TNOnline, as empresárias pediram por justiça. As duas serão ouvidas na delegacia nesta sexta-feira (17). "Nós queremos a punição desses atos. Esse caso foi exposto, mas nós sofremos muitas outras represálias. A homofobia é crime, desde que abrimos em outubro estamos sofrendo represálias de todos os lados, perdi as contas de quantas vezes tivemos que ir até as autoridades, esse caso resolvemos expor para a punição dos envolvidos e para que as pessoas se conscientizem a não fazer mais isso. Aqui não é apenas um bar, uma empresa, é uma rede de proteção, se nós nos calarmos, vamos estar calando todas as pessoas que se sentem representadas por nós. Nós somos um grupo, uma comunidade que vive com medo. O que nós queremos é mostrar para todos que é crime, a homofobia é crime, vamos lutar pela justiça para garantir o respeito", disse Stephany Haidamak. Assista a entrevista:

 Stephany Haidamak e a esposa Nayane Codina, que são sócias-proprietárias do bar localizado em Apucarana e que recentemente sofreram ataques homofóbicos, falaram sobre o assunto nesta quinta-feira (17). Em entrevista para o site TNOnline, as empresárias pediram por justiça. As duas serão ouvidas na delegacia nesta sexta-feira (17). "Nós queremos a punição desses atos. Esse caso foi exposto, mas nós sofremos muitas outras represálias. A homofobia é crime, desde que abrimos em outubro estamos sofrendo represálias de todos os lados, perdi as contas de quantas vezes tivemos que ir até as autoridades, esse caso resolvemos expor para a punição dos envolvidos e para que as pessoas se conscientizem a não fazer mais isso. Aqui não é apenas um bar, uma empresa, é uma rede de proteção, se nós nos calarmos, vamos estar calando todas as pessoas que se sentem representadas por nós. Nós somos um grupo, uma comunidade que vive com medo. O que nós queremos é mostrar para todos que é crime, a homofobia é crime, vamos lutar pela justiça para garantir o respeito", disse Stephany Haidamak. Assista a entrevista: - Vídeo por: tnonline  

continua após publicidade
Tags relacionadas: #Apucarana #ENTREVISTA