Revista UAU!

Entidades vão à Justiça contra Nelson Piquet por comentários racistas

A ação enviada ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal pede uma indenização de R$ 10 milhões, além de nota com pedido público de desculpas

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
O ex-piloto se isentou da conotação racial do termo, alegando que a palavra é usada de forma coloquial
fonte: Reprodução/TV Tem
O ex-piloto se isentou da conotação racial do termo, alegando que a palavra é usada de forma coloquial

Nesta segunda-feira (04), entidades de defesa dos direitos humanos acionaram a Justiça do Distrito Federal contra o ex-piloto de Fórmula 1 Nelson Piquet. O motivo é um vídeo publicado pelo portal Grande Prêmio, onde ele usou o termo racista "neguinho" para se referir ao piloto Lewis Hamilton, fez um comentário homofóbico e, ainda, ofendeu os competidores Keke e Nico Rosberg.

continua após publicidade

"O Keke? Era uma b... Não tinha valor nenhum. É que nem o filho dele (Nico), ganhou um campeonato, o neguinho (Hamilton) devia estar "dando mais c..." naquela época e estava meio ruim", disse Piquet.

A ação das entidades, apresentadas ao Tribunal de Justiça, pede uma indenização de R$ 10 milhões por danos morais coletivos e danos sociais. Em um comunicado divulgado quando as declarações preconceituosas viralizaram na mídia, Piquet afirmou que as falas foram "mal pensadas". O ex-piloto se isentou da conotação racial do termo, alegando que a palavra é usada de forma coloquial na Língua Portuguesa.

continua após publicidade


Ação na Justiça

A ação apresentada ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal é de iniciativa da associação Educafro, do Centro Santo Dias de Direitos Humanos da Arquidiocese São Paulo e da Aliança Nacional LGBTI+. Segundo os autores, Piquet, "líder e expoente do esporte brasileiro, em manifestação explícita de racismo e de homofobia, violou a um só tempo o direito fundamental difuso à honra da população negra e da comunidade LGBTQIA+".

continua após publicidade

Para as entidades, as declarações não se restringem apenas a Lewis Hamilton, mas ferem "o direito de toda a sociedade de não se ver afrontada por ações dessa natureza, que ofendem a generalidade das pessoas, gerando repulsa e indignação, o que leva à necessária aplicação do dever de reparar o dano moral perpetrado contra todos, indistintamente, pela via da grave violação de valores fundamentais historicamente conquistados".

"O ex-piloto brasileiro que vociferou publicamente as aviltantes injúrias raciais e homofóbicas é personalidade pública, tricampeão de Fórmula 1, portanto é de se presumir o impacto causado em todos aqueles que assistiram ao vídeo, especialmente os de etnia negra e os membros da comunidade LGBTQIA+, sabedores da amplitude e da gravidade das ofensas perpetradas pelo réu", diz a ação.

Além da indenização de R$ 10 milhões, os autores pedem que Nelson Piquet seja condenado a publicar uma nota, em todas as redes sociais, com pedido público de desculpas, "reconhecendo o erro de fazer alusão racista a qualquer pessoa" e "retratando-se das afirmações racistas e homofóbicas". Solicitam, ainda, que ele seja condenado a pagar multa de R$ 100 mil em caso de reiteração da conduta, em qualquer espaço digital.

continua após publicidade


Repercussão

continua após publicidade

Após a repercussão dos comentários, a Federação Internacional do Automobilismo (FIA), a F1 e a Fórmula E emitiram notas em repúdio à fala do ex-piloto.

Além da Mercedes, equipe de Lewis Hamilton, as montadoras Alpine, McLaren, Aston Martin e Ferrari também prestaram apoio ao britânico, bem como seu colega de equipe George Russell e os rivais Charles Leclerc, Carlos Sainz, Lando Norris, Daniel Ricciardo e Esteban Ocon.

A F1 ainda decidiu banir o tricampeão do paddock – espaço que abriga convidados nas corridas – de todas as etapas, segundo a imprensa britânica. Piquet também foi suspenso do Clube de Pilotos Britânicos, que reúne nomes proeminentes do esporte a motor e do qual ele fazia parte como membro honorário – e Hamilton também é participante.

continua após publicidade


O que diz Nelson Piquet

À época em que o uso do termo racista veio à tona, Nelson Piquet emitiu um comunicado. Veja a íntegra:

continua após publicidade

"Gostaria de esclarecer as histórias que circulam na mídia sobre um comentário que fiz em uma entrevista no ano passado.

O que eu disse foi mal pensado, e não defendo isso, mas vou esclarecer que o termo usado é aquele que tem sido amplamente e historicamente usado coloquialmente no português brasileiro como sinônimo de 'cara' ou 'pessoa' e foi nunca teve a intenção de ofender.

Eu nunca usaria a palavra da qual fui acusado em algumas traduções. Condeno veementemente qualquer sugestão de que a palavra tenha sido usada por mim com o objetivo de menosprezar um piloto por causa de sua cor de pele.

Peço desculpas de todo o coração a todos que foram afetados, incluindo Lewis, que é um piloto incrível, mas a tradução em algumas mídias que agora circulam nas redes sociais não está correta. A discriminação não tem lugar na F1 ou na sociedade e estou feliz em esclarecer meus pensamentos a esse respeito."


Fonte: Informações do g1.

GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News