Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Região

Produção de queijo artesanal agrega valor para a pecuária

.

A propriedade foi a primeira a ser regular no Serviço de Inspeção Municipal (SIM) de Ivaiporã. Foto (Ivan Maldonado)
A propriedade foi a primeira a ser regular no Serviço de Inspeção Municipal (SIM) de Ivaiporã. Foto (Ivan Maldonado)

Uma das principais alternativas para agricultores familiares e produtores rurais no Vale do Ivaí para aumentar a renda com a atividade tem sido a industrialização dos alimentos. Esse foi o caso de Neuza Aparecida e Dorly Hinselmann, de Ivaiporã, que há mais de 20 anos voltou toda a produção de leite da propriedade para produção de queijo frescal caseiro. 

Há seis meses, para atender as exigências de mercado, o agronegócio familiar foi regularizado e formalizado, através do Projeto Agroindústrias, do Governo do Estado, podendo agora ampliar ainda mais a produção e vendas do queijo artesanal. 

O médico veterinário da Emater, Carlos Eduardo dos Santos, responsável pelo programa da regional de Ivaiporã relata que a propriedade foi a primeira a ser regular no Serviço de Inspeção Municipal (SIM). 

“O casal estava com dificuldades nos grandes supermercados da cidade e por isso queria regularizar. Foram feitas as recomendações para que se construísse uma nova sala para fabricação, que passassem a pasteurizar o leite para fazer o queijo e arrumassem um responsável técnico. Feito isso, foi feita toda a documentação, e agora regularizado, eles podem vender o queijo com nota de produtor e atender o mercado de Ivaiporã e de outras cidades”, disse Santos. 

Sergio Carlos Empinotti, agrônomo do escritório regional do Departamento de Economia Rural (Deral), explica que com a transformação do leite em queijo, o produtor agrega ao litro de leite um lucro líquido de 50%. “Hoje os laticínio pagam em torno de R$ 1,20 o litro de leite. Com a fabricação do queijo artesanal, mesmo descontando todas as despesas, alimentação do gado, assistência técnica, mão de obra, o produtor consegue pelo menos mais R$ 0,60 por litro”.

Hinselmann, que tem uma produção média mensal de 600 quilos de queijos artesanais por mês, destaca a importância da industrialização do leite. “É um dinheiro que entra toda a semana. Outra vantagem é no aspecto econômico. Se tivesse que vender o leite cru não compensaria ficar na atividade”. Com relação a formalização da empresa, Hinselmann salienta que o produto ficou mais valorizado. “É a garantia de que produzimos um queijo de qualidade”.

A esposa Neuza Aparecida disse que a produção do queijo artesanal ajudou a promover a sustentabilidade financeira da família, que tem três filhos. “Quando começamos eu e meu marido queríamos uma renda extra para ajudar nas despesas da casa e para criar nossos meninos, graças a Deus deu resultado. As despesas do dia a dia da casa é tudo pago com o dinheiro do queijo”, ressalta Neuza. 

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Soprap

Edhucca

Últimas de Região

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber