Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Região

Polícia encontra manchas de sangue na casa de suspeitos da morte de adolescente 

.

Com o uso de luminol, substância que permite a identificação de sangue em pontos invisíveis a olho, peritos da seção técnica do Instituto de Criminalística de Londrina, identificaram nesta quinta-feira (1º), manchas de sangue nas paredes da casa dos suspeitos do crime que tiraram  a vida do adolescente Udson Evandro Leal Magri, morador de Jardim Alegre,

Quando chegaram a casa, que fica na Av. Brasil, 104, em Jardim Alegre, os peritos perceberam que as manchas de sangue foram limpas e os móveis retirados antes da chegada da polícia. Segundo a perita Odete Marquini, os móveis poderiam servir de anteparo para os respingos de sangue, e a limpeza do assoalho  também foi muito bem feita. “Mas mesmo assim, encontramos vestígios na parede de um quarto, no corredor e na porta da sala. Na porta foi onde encontramos maior quantidade onde possivelmente o crime ocorreu”. 

Os suspeitos de participar no crime, Maurício de Oliveira, 34 anos, e Eudner Dutra Santos, 19 anos, conhecido como Dinei foram presos em Mandaguari na última segunda-feira, e se encontram detidos na 54ª Delegacia Regional de Polícia. 

Conforme o delegado Gustavo Dante  é mais uma etapa da investigação que corrobora o envolvimento dos suspeitos no crime. “Confirmou a nossa suspeita que o Hudson tinha sido morto na casa. Isso vai ajudar muito nas investigações, até porque a versão apresentada pelos dois é totalmente incompatível com a forma como a vítima foi morta. Trata-se de uma prova técnica que possivelmente vai auxiliar muito o judiciário no momento do júri”, enfatiza Dante. 

Entenda o caso

O adolescente de 15 anos, Udson Evandro Leal Magri, que residia em Jardim Alegre foi visto com vida pela última vez na terça-feira (23) na Av. Tancredo Neves, nas proximidades do Mercado Bom Preço.
O cadáver do adolescente só foi encontrado no último sábado com os pés e mãos amarradas com arame, no Rio Ivaí, aproximadamente 15 quilômetros da ponte do Porto Ubá, em Lidianópolis. 

Segundo o delegado Gustavo Dante, após a captura dos principais suspeitos na última segunda-feira, durante o interrogatório ambos confessaram o crime parcialmente. “O Mauricio alegou que não participou, mas tinha ciência que o companheiro matou a vítima. Já o Dinei deu uma versão fantasiosa, alegando que havia empurrado a vítima acidentalmente dentro do rio”, completa Dante.
 


O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Região

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber