Facebook Img Logo
Mais lidas
Região

Casos de sífilis aumentam quase 500% em cinco anos na região da 16ª RS

.

Teste rápido é uma ferramenta importante para o diagnóstico precoce (Delair Garcia)
Teste rápido é uma ferramenta importante para o diagnóstico precoce (Delair Garcia)

Sem sintomas graves na fase inicial, a sífilis, uma das doenças sexualmente transmissíveis (DST) mais comum do mundo, passa despercebida por meses ou até anos, o que contribui com a disseminação da doença na população. De 2011 para 2016, casos de sífilis adquirida, aquela transmitida durante relações sexuais, aumentou 472%, passando de 11 investigações para 63, na região da 16ª Regional de Saúde (RS), de Apucarana, que abrange dezesseis municípios. Já casos da doença em gestantes, no mesmo período, a alta é ainda maior, passou de 5 casos para 89, uma alta de 1.680%.

O aumento também foi notado em todo Estado. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), de 2011 a 2016, houve aumento de 1.231% nos casos de sífilis adquirida, passando de 439 casos registrados em 2011 para 5.393 em 2016. Já notificações da doença em gestantes, nesses cinco anos, passou de 474 casos para 2.066, ou seja, uma alta de 335%. No mesmo período, a sífilis congênita – que é quando ocorre a transmissão da mãe para o bebê - também registrou aumento de 345%, passando de 212 casos em 2011 para 732 em 2016. No caso da sífilis congênita, na área da RS, em 2016, foram registradas 33 situações. 

A enfermeira da Vigilância Epidemiológica, da 16ª RS, Anelise Helena Brizola, avalia que a quantidade de casos está elevada diante dos recursos existentes. “Porém, precisamos observar que neste período melhorou o diagnóstico. Uma das ferramentas que aprimorou esse processo foi a disponibilização de testes rápidos nos serviços especializados de saúde a partir de 2008/2009 e nas unidades básicas de saúde a partir de 2011”, observa.

Anelise analisa que, mesmo com a oferta de testes rápidos nas unidades de saúde, um dos entraves para a investigação de sífilis é a baixa procura, que deve ocorrer de forma espontânea. “Além disso, por ser uma doença sexualmente transmissível, acaba associada à promiscuidade, o que afasta um pouco as pessoas de buscar o diagnóstico, porém essa associação não é verdadeira”, afirma. 

A enfermeira argumenta que a transmissão pode ocorrer em qualquer relação sexual sem preservativo, reforçando que o uso da camisinha é o método mais seguro na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. O sintoma mais comum da doença é uma ferida indolor na região genital. “Muitas vezes, a pessoa acaba nem percebendo e, com isso, continua transmitindo a doença”, diz. 

Numa segunda fase surge lesões na pele e somente depois pode vir a atacar os órgãos internos. “A sífilis antes de atacar os órgãos internos pode passar por um período de incubação, sem sintomas, que pode chegar há 40 anos”, comenta. 

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Região

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber