Mais lidas
Região

Procura por vacina da febre amarela dispara na região

.

Campanha de vacinação contra a gripe termina na próxima semana. Foto: Assessoria
Campanha de vacinação contra a gripe termina na próxima semana. Foto: Assessoria

Com avanço de casos de febre amarela em Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo, a procura pela vacina disparou na região. Os municípios têm registrado um aumento diário na procura pelo imunizante nas unidades de saúde. Em Apucarana, de acordo com a Autarquia Municipal de Saúde (AMS), 436 pessoas, entre crianças e adultos, tomaram a vacina em janeiro do ano passado. No mesmo mês deste ano, quando deu início ao surto da doença que já vitimou mais de 45 pessoas, 1.177 apucaranenses procuraram salas de vacinas para tomar o imunizante contra à febre amarela, o que representa um aumento de 170%.

Em Ivaiporã, o aumento também foi expressivo. De um ano para o outro saltou 150% nos últimos dias. Antes eram aplicadas 20 doses da vacina por dia, atualmente são 50. (Ver box) Arapongas também registrou um aumento na procura pelo imunizante, mas não sabe precisar um número exato, uma vez que o relatório é fechado todo dia 10, segundo a responsável pelo Setor de Imunização da Secretaria de Saúde do Município, a enfermeira Graziella Stefanuto.Apesar dos municípios registrarem um aumento significativo na procura pela vacina da febre amarela, a 16ª Regional de Saúde (RS) mantém os estoques normais. As autoridades de Saúde, tanto da RS quanto dos municípios, garantem que não há motivo para pânico por duas razões: tem vacina em quantidade suficiente para a população e não são todas as pessoas que precisam tomar o imunizante. 

O chefe da Divisão de Vigilância em Saúde, da 16ª RS, Marcos Vinícius da Costa, explica que a vacina de febre amarela está prevista no calendário de vacinação e devem tomar a vacina crianças a partir de 9 meses (1ª dose) e aos 4 anos 2ª dose (reforço). “As pessoas que ainda não foram vacinadas devem tomar a 1ª dose e aguardar dez anos para tomar a 2ª dose (reforço). Aqueles que já tomaram as duas doses estão imunizadas pelo resto da vida”, afirma.Costa frisa que é importante ressaltar que as pessoas que vão viajar para as áreas, que são aquelas que têm registro da doença, devem ter atenção especial. “Neste caso, deve-se procurar a unidade de saúde para receber orientações”, aconselha. 

De acordo com o chefe da Vigilância, em casos de dúvidas se tomou ou não a vacina, a pessoa deve procurar a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) com a sua carteira de vacinação (se tiver) e se for constatado que não tomou, deverá tomar a vacina. “Não é necessário nem recomendado tomar mais que duas doses da vacina, porém, caso isso ocorra, não trará riscos para saúde do indivíduo”, assinala.Costa explica ainda que a vacina, composta por vírus vivos atenuados, é aplicada via subcutânea. “Os estudos demonstram que a vacina tem efeito de proteção de 95% e passa a produzir efeitos por volta de dez dias da data de aplicação. E após a segunda dose, o indivíduo fica imunizado por toda a vida”, sublinha.Costa observa ainda que o último caso de febre amarela silvestre registrado no âmbito da 16ª RS foi no ano de 2015, no entanto, trata-se de um caso importado, ou seja, a pessoa contraiu a doença em outro local (Mato Grosso), quando viajou para uma pescaria e retornou com a doença.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber