Mais lidas
Região

Rio Bom enfrenta epidemia de Dengue

.

Foto: arquivo
Foto: arquivo

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quinta-feira (12) o balanço da situação da dengue no Paraná. Sete municípios estão em situação de epidemia e 107 registram casos da doença, a maioria em cidades das regiões Norte, Noroeste e Oeste. O Estado confirmou 892 casos de dengue nos últimos seis meses, o que significa um aumento de 20,9% em relação ao mesmo período do ano passado, com 187 ocorrências a mais. 

As cidades de Itaúna do Sul, Paranapoema, São João do Caiuá, São Pedro do Paraná, Rio Bom, Jataizinho e Riacho Alegre do Oeste registram uma média acima de 300 casos da doença por 100 mil habitantes, o que determina a situação de epidemia. 

Outras seis cidades têm risco médio de infestação: Uraí, Tamboara, Diamante do Norte, Amaporã, Loanda e Iporã. Essas informações estão no levantamento do índice rápido de infestação, realizado em dezembro de 2014 e janeiro de 2015. O estudo é feito em 270 municípios paranaenses, considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue e da Febre Chikungunya. 

Diante da avaliação, o Estado alerta a população para eliminar recipientes que acumulam água e que favorecem a proliferação do mosquito transmissor. 

“Neste período de chuvas de verão e forte calor nas regiões de maior incidência, devemos aumentar os cuidados para não permitir focos de infestação”, explicou a coordenadora do Centro Estadual de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte. 

“Se não houver acúmulo de recipientes que retém água parada, os mosquitos não se reproduzem. Por isso é importante que as pessoas verifiquem semanalmente suas casas e quintais em busca de locais que podem se tornar criadouros”, completa Ivana. 


CASOS GRAVES 

O 8º boletim epidemiológico da dengue relata a ocorrência de três casos graves, que evoluíram para cura, e confirma a primeira morte pela doença no Paraná no período entre agosto de 2014 e fevereiro deste ano. Exames realizados no Laboratório Central do Estado confirmaram que foi dengue a causa da morte da mulher de 66 anos, que apresentava outras comorbidades e residia em São João do Caiuá. 

A Secretaria de Estado da Saúde analisa ainda um caso relatado como suspeito de morte por dengue em Ângulo, no Norte do Estado. A mulher, de 45 anos, morreu no Hospital Cristo Rei, em Astorga, e os primeiros exames realizados foram negativos para a doença. O caso segue em investigação para identificar qual foi a causa da morte. 

Os municípios com maior número de casos confirmados são Londrina (100), Itaúna do Sul (86) e São João do Caiuá (62). 

Orientações para evitar criadouros do mosquito transmissor da dengue: 

- Evitar o acúmulo de lixo e entulhos; 

- Deixar sacolas e recipientes com lixo fechados; 

- Manter as caixas d’água, galões, tonéis ou tambores sempre vedados; 

- Remover a sujeira das calhas e ralos; 

- Não deixar pneus com água e em lugares descobertos; 

- Deixar garrafas ou baldes com a boca para baixo; 

- Verificar bandejas de ar-condicionado e geladeiras mantendo-as limpas e sem água; 

- Colocar areia até a borda nos pratos de vasos de flores e plantas; 

- Manter vasos sanitários sem uso fechados; 

- Tratar a água de piscinas e fontes uma vez por semana; 

- Esticar lonas para não formar poças; 

- Lavar os recipientes de água dos animais uma vez por semana;




×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber