Região

Requião dá prazo de 6 meses para o fim da superlotação em Cadeias

Da Redação ·

O governador do Paraná, Roberto Requião, e o secretário da Segurança Pública, Luiz Fernando Delazari, anunciaram nesta segunda-feira (26), durante a reunião da Operação Mãos Limpas, que até julho serão resolvidos os problemas de superlotação nas cadeias de Curitiba e Região Metropolitana.

continua após publicidade

Com os investimentos programados, serão criadas 1.440 novas vagas com a construção de 120 celas modulares, com capacidade para doze presos cada. Até abril serão entregues as primeiras 60 celas e o restante até julho.

continua após publicidade
"Estas novas vagas vão aliviar as delegacias do Paraná. Dentro de alguns dias, vou visitar as obras. Rapidamente teremos estas novas celas que vão desafogar o sistema carcerário", afirmou o governador. O principal objetivo da Secretaria da Segurança, com a construção das celas, é acabar com a superlotação nas cadeias de delegacias da capital e da região metropolitana. As obras para 60 novas celas já começaram em caráter emergencial no Centro de Triagem II, em Piraquara, onde abrigarão 720 presos. As outras 60 serão construídas e espalhadas pelos municípios de Araucária, Colombo e Rio Branco do Sul. "Em seis meses não teremos mais presos em distritos da capital e nas carceragens da região metropolitana", disse o secretário. Atualmente, existem no estado 54 celas em Piraquara, Londrina, Palmas, Loanda, Colorado e Cornélio Procópio. As celas modulares são aprovadas pelo Ministério Público e pela Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR) e foram desenvolvidas para proporcionar segurança e diminuir o número de funcionários que cuidam da carceragem. Além das celas modulares, outros presídios serão construídos até o final do governo.
continua após publicidade
PRESÍDIOS - Apenas nos últimos cinco anos, o governo estadual criou mais que o dobro de vagas em unidades penitenciárias do que em um século de existência do Sistema Penitenciário do Paraná. Porém das 2.273 pessoas presas na Grande Curitiba, 1.069 excedem a capacidade das cadeias. Apenas na capital, são 484 presos a mais que o limite de lotação. Desde 2003, foram inauguradas no Paraná 12 penitenciárias e seis foram ampliadas, abrindo 14.827 vagas, um aumento de 127%. E esses números podem aumentar ainda mais. As penitenciárias em projeto são o Centro de Detenção e Ressocialização de Cruzeiro do Oeste, o Centro de Regime Semi-Aberto de Maringá, a Penitenciária de Jovens e Adultos de Piraquara, a Penitenciária Feminina do Oeste, em Foz do Iguaçu, e o Centro de Regime Semi-Aberto Industrial do Norte, na cidade de Londrina que juntas, abrirão novas 2.773 vagas nos regimes fechado e semiaberto.