Região

Requião acena com incentivos para empresas que mantiverem empregos

Da Redação ·

O governador Roberto Requião fez um apelo nesta segunda-feira (19) para que empresários paranaenses não demitam trabalhadores e acenou com incentivos para empresas em dificuldades por conta da crise que se comprometam a manter empregos. Todo o esforço do Governo do Paraná é para que os trabalhadores não sejam demitidos. Pensamos até em incentivos a empresas em dificuldades, com uma condicionante ¿ o empresário tem de garantir que não vai demitir trabalhadores. Não há apoio ao capital se o capital não se preocupa com o trabalho, justificou Requião, em pronunciamento gravado no Palácio das Araucárias, em Curitiba. Se não tivermos brasileiros com emprego e bom salário, não teremos consumo. Sem consumo, a indústria para, e o esquema econômico do País desaba, disse o governador. Mais trabalhadores significam uma massa salarial maior no País, no Paraná, e uma massa salarial maior significa um aumento da demanda pela produção da indústria, por bens de consumo. Aí se recria o círculo virtuoso do desenvolvimento, argumentou.Requião também descartou aumentos de tarifas públicas nos próximos meses, de forma a não arrochar a renda de trabalhadores que veem seus empregos ameaçados pela crise. Não vamos admitir a elevação de tarifas ¿ seja de ônibus, de água, de energia. Um momento de crise é um momento em que o trabalhador merece respeito. Não podemos, com aumentos absurdos, comprometer a já magra renda de trabalhadores que nesse momento têm até o emprego ameaçado. Essa é a política do Governo do Paraná, afirmou.O governador defendeu freio nos lucros do setor empresarial e aumento dos salários como forma de aliviar os efeitos da crise mundial no País. Está muito claro para todas as pessoas que lêem a realidade da crise que o Brasil e o mundo vivem hoje que ela se origina no lucro ¿ lucro desesperado, sem coração, realizado pelos empresários, pelos detentores do capital ¿ e no achatamento dos salários. A regra para a mudança é o aumento dos salários e freio e bridão na avidez absurda do grande empresariado, falou. Leia a íntegra do pronunciamento do governador Roberto Requião.Está muito claro para todas as pessoas que lêem a realidade da crise que o Brasil e o mundo vivem hoje que ela se origina no lucro ¿ lucro desesperado, sem coração, realizado pelos empresários, pelos detentores do capital ¿ e no achatamento dos salários. Os grandes empresários se apropriam da tecnologia gerada pelos homens através da história e achatam os salários, aumentando, com a tecnologia empregada, os seus ganhos. O capital tem rendas fantásticas. Os trabalhadores, uma com renda muito pobre, seja no Brasil ou nos Estados Unidos, no mundo inteiro, são consumidores de pouco poder aquisitivo.A regra para a mudança é o aumento dos salários e freio e bridão na avidez absurda do grande empresariado. O mundo não pode crescer com essa desigualdade social e econômica brutal, nem no Brasil, nem nos Estados Unidos. Quero fazer um apelo aos empresários paranaenses que estão me escutando. Não demitam trabalhadores. Se esforcem para reduzir, até, o lucro já prejudicado pela crise que vocês possam ter. Se não tivermos brasileiros com emprego e bom salário, não teremos consumo. Sem consumo, a indústria para, e o esquema econômico do País desaba. Mais trabalhadores empregados significa mais consumo. Mais trabalhadores com bons salários significa melhores vendas no comércio. Com prateleiras vazias, o comércio faz encomendas à indústria, que num primeiro momento usa sua capacidade ociosa, mas que num segundo momento, com aumento das vendas, passa a contratar mais trabalhadores. Mais trabalhadores significam uma massa salarial maior no País, no Paraná, e uma massa salarial maior significa um aumento da demanda pela produção da indústria, por bens de consumo. Aí se recria o círculo virtuoso do desenvolvimento. Todo o esforço do Governo do Paraná é para que os trabalhado

continua após publicidade