Região

Interligação dos poços do Aquífero Guarani altera trânsito em Londrina

Da Redação ·

A Sanepar prevê para outubro a conclusão da obra que colocará em operação o Sistema Guarani Norte, composto por dois poços do Aquífero Guarani e que incrementará em 10% a produção de água em Londrina. Na próxima semana, a tubulação que interligará os poços ao sistema existente deverá chegar à Avenida Saul Elkind.

Duas frentes de trabalho já estão nas ruas Jordelino Silva, Júlio Farinace Lahmann e Gessi Eugênio da Silva. As intervenções nos próximos três meses e serão acompanhadas pela Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), em função das alterações de tráfego nas vias.

Para a realização da obra será necessário cortar calçadas e o pavimento asfáltico em diversos trechos. Apenas na Avenida Saul Elkind são 2,3 quilômetros. Em, no máximo, 15 dias tudo deverá voltar à situação original, garante o gerente-geral da Sanepar na Região Metropolitana de Londrina, Sérgio Bahls, sobre a reposição de calçadas e ruas.

Para levar a água dos poços, localizados nas proximidades da Vila Guarani e que margeiam o Ribeirão Jacutinga, até três centros de reservação existentes na Região Norte, serão necessários 9,2 quilômetros de adutoras e duas estações elevatórias. O Sistema Guarani Norte também terá uma estação de tratamento, para correção de pH e desinfecção, uma torre de resfriamento, para reduzir a temperatura da água - em média 48,5 graus centígrados -, e um reservatório de contato de 500 metros cúbicos.

A produção será de 200 litros de água por segundo (l/s). Atualmente 1.140 l/s são produzidos a partir do Rio Tibagi e 700 l/s do Ribeirão Cafezal, além da contribuição de pequenos poços do Aquífero Serra Geral, de aproximadamente 160 l/s. Teremos mais 135 mil pessoas consumindo água do Guarani. Eles são moradores já atendidos pelos Centros de Reservação Semíramis, Vivi Xavier e Norte, explica Bahls.

De acordo com ele, a obra possibilita a infraestrutura necessária para o crescimento populacional e socioeconômico de Londrina e Cambé nos próximos cinco anos, prazo previsto para a duplicação do Sistema Produtor Tibagi. Cambé não receberá a água do Guarani, porém terá maior disponibilidade de água pelo sistema integrado, completa.

Recursos - Cerca de R$ 10 milhões serão investidos na operação dos poços do Aquífero Guarani. Apenas nesta etapa estão sendo aplicados R$ 7,665 milhões com recursos da Caixa Econômica Federal - Programa FGTS -, e contrapartida da Sanepar. Outros R$ 2,336 milhões são destinados para a parte elétrica.

A empreiteira responsável por esta etapa da obra é a LFM Engenharia de Obras Ltda. Os clientes que tiverem dúvidas sobre os procedimentos na execução da obra poderão entrar e contato direto com a empreiteira pelo telefone (43) 3344-6262. Aqueles que quiserem dar sugestões ou fazer críticas podem ligar para a Sanepar através do telefone 115, pede o gerente da companhia.

continua após publicidade