Região

Empresários de Apucarana querem o mercado exterior

Da Redação ·

Os fabricantes de bonés de Apucarana, que produzem mais de 4 milhões de unidades por mês, mais de 50% do total produzido no Brasil, querem ganhar o mercado externo. Segundo o último censo do setor realizado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), são 137 empresas formais fabricantes de bonés, no município, com mais de 450 em toda a cadeia produtiva.

Constituída como um Arranjo Produtivo Local (APL) - aglomerações de micro, pequenas e médias empresas que atuam em uma atividade produtiva comum -, o APL de Bonés de Apucarana executa ações para a inserção de produtos em novos mercados. O coordenador de imagem e mercado do APL de Bonés de Apucarana, Cleverson Roberto da Silva, explica que uma grande análise de produto e de processo organizacional das empresas está sendo realizada. Percebemos a falta de informação que os empresários tinham em relação à cultura exportadora. Por isso, o APL está trabalhando para que as empresas ampliem os seus mercados de atuação, diz.

continua após publicidade

O setor garante para Apucarana cerca de 8 mil empregos diretos e 24 mil indiretos e lhe deu o título Capital do Boné, há duas décadas. O Governo do Estado, demais entidades governamentais e privadas, de ensino e pesquisa querem agora fortalecer a excelência da produção para que ela seja absorvida também no comércio internacional.

CHINA - De 28 de outubro a 8 de novembro, dez empresários da cadeia produtiva de bonés de Apucarana vão estar na 104ª Canton Fair, em Pazhou, China. A missão empresarial à China irá conhecer as novidades do setor têxtil, além de visitas em empresas. Na última edição, participaram como expositores 514 empresas estrangeiras de 51 países, movimentando US$ 45 bilhões. Da China, participaram 18 mil expositores. De acordo com Cleverson Roberto da Silva, a China é um mercado muito atrativo, onde os empresários paranaenses também poderão aplicar nas suas empresas o conhecimento apreendido. Não queremos competir com o mercado chinês, mas sim produzir produtos iguais ou superiores e gerar mais renda para Apucarana, afirma.

continua após publicidade

APL DO BONÉ TERÁ PLANO DE AÇÃO PARA 2009