Região

2008: tráfico de drogas leva 154 pessoas à prisão em Apucarana

Da Redação ·

As polícias Civil e Militar de Apucarana divulgaram relatório ontem que mostra um recorde do número de pessoas presas no município sob a suspeição de praticar o crime de tráfico de drogas. De acordo com a polícia, 154 acusados de comercializar entorpecentes foram detidos em flagrante do início de janeiro até o final de agosto deste ano. No mesmo período de 2007, o total de presos por esse tipo de infração penal totalizou 82 pessoas, o que perfaz um aumento de quase 100% no comparativo.
O relatório aponta ainda que a droga mais aprendida nos oito primeiros meses do ano em Apucarana foi o crack: 8,1 quilos (76,09% do total de entorpecentes retidos), contra 586 gramas do tóxico retirados de circulação no mesmo período de 2007.

continua após publicidade


O montante de crack interceptado este ano em Apucarana é mais de 16 vezes superior ao registrado no período do início de janeiro a agosto de 2007. Por um lado, isso mostra que a polícia está trabalhando bastante para coibir o tráfico, mas por outro, é motivo de preocupação, pois revela que o número de usuários e o consumo desse tipo de tóxico mantém tendência de crescimento, afirmou o chefe do Serviço Reservado (P2) do 10º BPM, tenente Éldison Martins do Prado.
O oficial lembrou que a última grande apreensão de crack em Apucarana ocorreu há 15 dias. Na oportunidade foram presos em flagrante uma mulher que trouxe 1,5 de crack puro de Ponta Porã (MS), para o Jonas Carletti, 40, que já cumpriu pena por assalto a banco e tráfico e era quem abastecia vários pequenos pontos de venda de entorpecente em Apucarana, principalmente na região Norte da cidade, detalhou Prado.


O tenente observou que, diante da lei o a comercialização de droga é muito mais grave que o consumo de tóxico. Mas no ciclo da violência
, o uso e o tráfico de drogas se completam, gerando mortes e seqüelas sociais irreparáveis, frisou O chefe da P2 destacou ainda que a qualificação profissional e aperfeiçoamento das polícias Militar e Civil, somados ao trabalho em conjunto com o Judiciário e o Ministério Público e a própria comunidade têm produzido resultados positivos na área de segurança.

continua após publicidade


Essa harmonia operacional de propósitos é primordial no combate a violência e a criminalidade como um todo. E dentro deste contexto, o comando do 10º Batalhão da Polícia Militar (BPM) e a chefia da 17ª SDP têm priorizado e intensificado o combate ao tráfico de droga, crime esse que está na raiz dos problemas da área de segurança, pois dele derivam o roubo, receptação e até homicídios, enfatizou Prado.

Suspeição envolvimento de 70% dos detentos

continua após publicidade

O delegado-chefe da 17ª SDP de Apucarana, Gabriel Junqueira, informou que cerca de 70% dos mais de 200 detentos do minipresídio de Apucarana foram presos sob a suspeição de tráfico de drogas ou algum tipo de crime relacionado com esse ilícito penal.
"O dinheiro fácil do tráfico de drogas está iludindo cada vez mais pessoas, mas as estatísticas da polícia mostram que, invariavelmente, todos os envolvidos, de uma forma ou de outra, com a comercialização de entorpecentes, acabam nas garras da lei. Isso representa prejuízo para sociedade, constrangimento e desagregação de famílias e pior: degradação completa de vidas humanas", salientou Junqueira.
O delegado destacou ainda o trabalho conjunto realizado pelas polícias Civil e Militar em Apucarana. "Aqui no município há uma integração efetiva do serviço policial que se traduz em resultados positivos", acentuou.

 

Prevenir ao invés de recuperar 

Sobre a tendência de aumento do número de usuários de drogas  nos últimos anos em Apucarana, o tenente Éldison Martins do Prado recomenda que os pais se aproximem mais afetivamente dos filhos para evitar que eles trilhem o caminho do vício.  "Os pais devem dialogar mais com os filhos, sem receio de abordar assuntos polêmicos, pois