Região

Trio rouba R$ 140 mil da prefeitura; dinheiro era para o pagamento de funcionários

Da Redação ·
Três criminosos roubaram R$ 140 mil da prefeitura de Rio Branco do Sul, na região metropolitana de Curitiba, no começo da tarde de quarta-feira (20). O dinheiro serviria para o pagamento dos funcionários públicos municipais.

De acordo com Boletim de Ocorrência (B.O.)registrada na delegacia da cidade, por volta das 14h, dois homens - um vestindo terno e gravata, outro de camisa social e jeans -, foram até a recepção no segundo andar da prefeitura e pediram para falar com um funcionário. A recepcionista permitiu que a dupla entrasse.

continua após publicidade

Eles então invadiram uma sala que estava sendo usada para contar o dinheiro do pagamento dos empregados do município. Quatro funcionários que estavam no local foram rendidos pela dupla que portava pistolas. Na saída, os bandidos golpearam com um soco ou uma coronhada o olho do funcionário Manoel Geraldo Geffer, que foi levado ao pronto socorro.

O terceiro comparsa esperava a dupla dentro de um carro modelo Astra Sedã na cor preta. A Polícia Militar estima que os bandidos tomaram a estrada no sentido São Paulo -do contrário, teriam passado por um posto da Polícia Rodoviária Estadual. A quantia roubada foi registrada em R$ 140 mil pela Polícia Civil.

continua após publicidade

Falta de segurança

Segundo o secretario municipal de Governo, Marco Aurélio Gomes da Silva, um dos dois policiais militares que fazem a segurança da cidade estava de guarda na prefeitura. Nossa cidade tem 40 mil habitantes e apenas dois policiais, diz.

Silva afirma ter requisitado várias vezes para a Secretaria Estadual da Segurança do Paraná (SESP) aumentar o efetivo da cidade. A SESP foi contatada pela reportagem da Gazeta do Povo para confirmar essa informação, mas não deu retorno.

continua após publicidade

O secretário deduz que os criminosos tinham informações privilegiadas sobre a administração da prefeitura. Eles sabiam que por volta do dia 20 nós fazemos os pagamentos e tinham conhecimento da planta do edifício, estima Silva.