Região

Professores de artes são disputados na região

Da Redação ·
Professora Natalie Araújo leva obras dos grandes mestres  da pintura para seus alunos
fonte: Sérgio Rodrigo
Professora Natalie Araújo leva obras dos grandes mestres da pintura para seus alunos

Nem Química, nem Física. A área de conhecimento que mais precisa de professores hoje na região é uma disciplina que quase todo aluno gosta: Artes. Do universo de cerca de 2 mil professores da área de abrangência do Núcleo Regional de Educação (NRE), o órgão estima que os graduados nessa área não passem de 80, fazendo da disciplina uma boa opção para quem quer ingressar no magistério.

continua após publicidade


“Em Apucarana não há 10”, estima a coordenadora de Recursos Humanos do NRE, Míriam Carvalho Fernandes. Segundo ela, a falta de profissionais nessa área é crônica. “Nos PSS (processo seletivo simplificado) nunca há muitos inscritos nessa área”, afirma.

continua após publicidade

Para a coordenadora do Núcleo de Artes do NRE, Alessandra Rizzo, uma série de fatores explicam a falta de professores de artes. A começar pela menor oferta do curso de licenciatura em artes em relação a outras matérias como Português e História, por exemplo. Na região, os cursos mais próximos são ofertados em Londrina e Maringá. Depois, segundo ela, há uma questão fortemente cultural envolvendo a área.


“Por puro preconceito, muitos homens resistem em fazer o curso, preferindo lecionar outras disciplinas”, comenta ela.
Outro ponto que pesa na escolha dos profissionais, acredita ela, é a falta de informação a respeito da matéria. “Muita gente pensa, inclusive os alunos, que é preciso ter um dom para se enveredar por esse caminho, o que não é verdade”, acredita.


Com dom ou não, a afinidade com uma ou outra forma de arte é que leva os professores para esse caminho. É o caso da professora Natalie Araújo, que sempre foi apaixonada pelo desenho. “Era e ainda é minha paixão”, afirma.Hoje, com 5 anos de sala de aula, ela afirma que tenta desmistificar as ideias relacionadas à disciplina como, por exemplo, que a aula é fácil e que não tem muita importância na grade.


“Ao invés de optar apenas pelos trabalhos manuais, parto para a história da arte, para trazer aos alunos uma nova visão da arte”, comenta a professora.