Região

Polícia encontra manchas de sangue na casa de suspeitos da morte de adolescente 

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Polícia encontra manchas de sangue na casa de suspeitos da morte de adolescente 
Polícia encontra manchas de sangue na casa de suspeitos da morte de adolescente 

Com o uso de luminol, substância que permite a identificação de sangue em pontos invisíveis a olho, peritos da seção técnica do Instituto de Criminalística de Londrina, identificaram nesta quinta-feira (1º), manchas de sangue nas paredes da casa dos suspeitos do crime que tiraram  a vida do adolescente Udson Evandro Leal Magri, morador de Jardim Alegre,

continua após publicidade

Quando chegaram a casa, que fica na Av. Brasil, 104, em Jardim Alegre, os peritos perceberam que as manchas de sangue foram limpas e os móveis retirados antes da chegada da polícia. Segundo a perita Odete Marquini, os móveis poderiam servir de anteparo para os respingos de sangue, e a limpeza do assoalho  também foi muito bem feita. “Mas mesmo assim, encontramos vestígios na parede de um quarto, no corredor e na porta da sala. Na porta foi onde encontramos maior quantidade onde possivelmente o crime ocorreu”. 

Os suspeitos de participar no crime, Maurício de Oliveira, 34 anos, e Eudner Dutra Santos, 19 anos, conhecido como Dinei foram presos em Mandaguari na última segunda-feira, e se encontram detidos na 54ª Delegacia Regional de Polícia. 

continua após publicidade

Conforme o delegado Gustavo Dante  é mais uma etapa da investigação que corrobora o envolvimento dos suspeitos no crime. “Confirmou a nossa suspeita que o Hudson tinha sido morto na casa. Isso vai ajudar muito nas investigações, até porque a versão apresentada pelos dois é totalmente incompatível com a forma como a vítima foi morta. Trata-se de uma prova técnica que possivelmente vai auxiliar muito o judiciário no momento do júri”, enfatiza Dante. 

Entenda o caso

O adolescente de 15 anos, Udson Evandro Leal Magri, que residia em Jardim Alegre foi visto com vida pela última vez na terça-feira (23) na Av. Tancredo Neves, nas proximidades do Mercado Bom Preço.
O cadáver do adolescente só foi encontrado no último sábado com os pés e mãos amarradas com arame, no Rio Ivaí, aproximadamente 15 quilômetros da ponte do Porto Ubá, em Lidianópolis. 

Segundo o delegado Gustavo Dante, após a captura dos principais suspeitos na última segunda-feira, durante o interrogatório ambos confessaram o crime parcialmente. “O Mauricio alegou que não participou, mas tinha ciência que o companheiro matou a vítima. Já o Dinei deu uma versão fantasiosa, alegando que havia empurrado a vítima acidentalmente dentro do rio”, completa Dante.