Região

Vigilância Sanitária descarta e destrói raticidas ilegais

Da Redação ·
Vigilância Sanitária descarta e destrói raticidas ilegais
Vigilância Sanitária descarta e destrói raticidas ilegais

A Vigilância Sanitária Estadual fez nesta segunda-feira (18), em Curitiba, o descarte e destruição de agrotóxicos e raticidas ilegais apreendidos no Paraná, em Curitiba. Entre eles, cerca de 3,6 mil frascos de chumbinho apreendidos pelas vigilâncias municipais.

continua após publicidade

O chefe da Vigilância Sanitária Estadual, Paulo Costa Santana, destaca que estes produtos representam grande risco à saúde da população e não são apropriados para serem usados como raticidas, pois são altamente tóxicos.

“O chumbinho põe em risco a saúde dos seres humanos, dos animais e representa uma das principais intoxicações exógenas do Estado. Existem relatos, inclusive, de pessoas que usaram o produto em tentativas de suicídio. Por isso é fundamental que realizemos ações integradas com as vigilâncias municipais para apreendê-lo”, enfatizou Santana.

continua após publicidade

De acordo com a engenheira agrônoma da Divisão de Vigilância Sanitária de Produtos, Marli Zandoná, o descarte de hoje representa mais um ciclo de ações no controle dos riscos à saúde da população exposta a agrotóxicos. Desde 2006, a comercialização do chumbinho é proibida no Paraná. Ela explica que sua eficiência como raticida também é questionável.

“Os ratos têm por costume enviar os membros mais velhos e mais debilitados do grupo para a busca de alimentos. Quando um destes animais, após ter contato com o chumbinho, retorna à colônia e morre, os demais entendem que ali há um perigo e não vão mais até o local procurar alimentos”, afirmou Marli.

DESCARTE – O descarte e destruição de produtos com resíduos químicos e agrícolas são feitos por meio de um processo chamado encapsulamento, que consiste em calcificar os produtos em um formato cilíndrico para então ser enterrado em um aterro apropriado.

continua após publicidade

O supervisor operacional da empresa que destruiu os produtos confiscados pela Vigilância Sanitária, Iverson Batista, explica como é o processo. “Colocamos os frascos com veneno, chumbinho e demais produtos similares em um recipiente e o cobrimos com cal e areia, encapsulando os dejetos em um formato sólido. Deixamos então curando por aproximadamente 15 dias e o enterramos em um aterro classe 1, que já é preparado com duas mantas no solo para evitar eventuais danos ambientais”, contou Batista.

PUNIÇÃO – Quando técnicos da Vigilância Sanitária encontram agrotóxicos ilegais sendo comercializados, os produtos são apreendidos e o vendedor pode sofrer sanções. A venda de produtos sem registro é crime sob pena de prisão, além de estar sujeito a inquéritos nas áreas civil e criminal. A empresa infratora também pode ser autuada em processo administrativo que implica em multa diária de acordo com a quantidade apreendida.

“É muito importante que a população nos ajude na fiscalização. Quem souber de alguém ou de algum comércio vendendo agrotóxicos ilegais deve fazer uma denúncia à Ouvidoria Municipal ou à Ouvidoria Geral da Saúde, através do telefone 0800 644 44 14”, enfatizou Santana.