Região

Rodovia do Milho está entre as piores do PR, afirma CNT

Da Redação ·
Acidente na Rodovia do Milho ganhou
fonte: André Henrique Veronez
Acidente na Rodovia do Milho ganhou

O estado das rodovias brasileiras melhorou no último ano. De acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgada ontem, 14,7% das rodovias avaliadas são classificadas como ótimas. No Paraná, o índice é maior, 17%. Na região de Apucarana, entretanto, a pesquisa mostra que se as rodovias federais vão bem, uma das principais vias de domínio estadual pede socorro.


Uma das principais vias do Vale do Ivaí, a PR-170, a Rodovia do Milho, ganhou a pior classificação do estudo, sendo considerada péssima. A CNT avaliou 34 estradas estaduais. Apenas duas estradas foram classificadas péssimas. A outra é a PR-468, entre Juranda e Umuarama.


O estudo levou em consideração condições de pavimentação da pista, sinalização e geometria.
Outras rodovias da região que passaram pelo estudo foram a PR-444, entre Arapongas e Maringá e a PR-445, entre Londrina e Mauá, ambas classificadas como boas. A PR-272, entre Mauá e a PR-466 na região de Porto Ubá também foi analisada, recebendo a classificação regular.


Durante 37 dias, de maio a junho, 15 equipes de pesquisadores da CNT avaliaram as condições 90.945 quilômetros de estradas em cinco regiões do país. O estudo inclui ainda toda a rede federal pavimentada. Na região, as BRs 376 e 369 foram consideradas boas. Em 2009, a Pesquisa CNT de Rodovias analisou 89.552 km. A qualidade da pavimentação e da sinalizações melhoraram 8,3 e 5,7 pontos percentuais, respectivamente. A CNT credita essas melhorias ao aumento de investimentos federais na área de infraestrutura.


A Pesquisa CNT de Rodovias avalia a situação das rodovias do ponto de vista dos usuários, englobando condições do pavimento, sinalização e geometria da via – que detalha aspectos como se a via é dupla ou simples e se tem acostamento

continua após publicidade