Região

Presos rebelados destroem Cadeia de Ivaiporã

Da Redação ·
 Cerca de 50 policiais trabalharam na retomada da carceragem
fonte: Ivan Maldonado
Cerca de 50 policiais trabalharam na retomada da carceragem

No início da noite de ontem (29), os detentos da 54ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Ivaiporã, iniciaram uma rebelião que terminou por volta das 2h45, desta segunda-feira (30). O setor da carceragem masculina ficou totalmente destruído, com várias grades e camas arrebentadas. O motim só foi contido depois que os policiais entraram disparando bombas de efeito moral e transferiram os rebelados para o solário. Apenas um detento que se encontrava em poder dos amotinados ficou ferido, com parte da orelha cortada. 

continua após publicidade

Para a retomada da Cadeia foi realizada uma operação com cerca de 50 homens do Grupo de Choque de Londrina, PMs do 10º Batalhão de Apucarana, da 2ª Companhia de Ivaiporã e da 54ª DRP. A entrada na carceragem foi dificultada pelos detentos, que utilizaram grades, camas, colchões e cobertores, para fazer uma barricada na porta principal. O Corpo de Bombeiros também participou da operação e usou uma ferramenta hidráulica para cortar as grades que bloqueavam o caminho.

continua após publicidade

O Delegado Antonio Silvio Cardoso disse que a justificativa para o ato deste domingo, seria uma fuga frustrada, somada a superlotação da cadeia que tem capacidade para 40 pessoas e abriga atualmente cerca de 170 detentos. Alguns dos amotinados reclamavam também de benefícios que eles tem direito e a justiça não concedeu ainda. Cardoso assinala que a invasão a carceragem só aconteceu, depois que todas as possibilidades de negociação foram esgotadas. “Foram mais de seis horas de conversas com o pessoal que se intitulava os cabeças da situação, mas não teve jeito de resolver o problema pacificamente”, assinala. 

O delegado relatou ainda que a carceragem masculina, por enquanto, não tem condições de ser utilizada. “Ela ficou praticamente destruída e vai ter que passar por uma reforma”. Hoje, Cardoso vai se reunir com a justiça da Comarca para tentar encontrar uma solução para o problema.