Região

Presos se revoltam e clima fica tenso na Cadeia de Ivaiporã

Da Redação ·
Presos se acalmaram após meia hora de negociação com o delegado. Foto: Ivan Maldonado
Presos se acalmaram após meia hora de negociação com o delegado. Foto: Ivan Maldonado

Um princípio de motim foi registrado nesta sexta-feira (21) na  Cadeia Publica de Ivaiporã. Os militares estaduais foram chamados para dar apoio a investigadores da Polícia Civil e agentes de cadeia do Depen. Após meia hora de negociação com o delegado Gustavo Dante, os rebelados se acalmaram. Anteontem, 12 detentos fugiram da unidade penitenciária por um túnel de 8 metros, há polícia tem informações que um novo túnel está sendo cavado.

continua após publicidade

Confusão começou por volta do meio dia, eles gritavam palavras de ordem com ameaças e batiam nas grades. No lado de fora da carceragem, o delegado da 54ª Delegacia Regional de Polícia (54ª DRP), Gustavo Dante, tentava acalmar os ânimos dos rebelados. Os internos reclamavam da falta de assistência médica há um interno que estava passando mal, das péssimas condições da cadeia e também da falta de espaço até mesmo para dormir.

“Doutor a gente está fazendo isso aí porque tá difícil as coisas aqui dentro. A rapaziada fica aqui sem saber o que acontece, tem preso (provisório) aqui há cinco anos e nem foi julgado ainda”, relatou um dos detidos. Outro deles, disse que por conta do excesso de presos até mesmo a disciplina entre eles está difícil de controlar. “A cadeia aqui está até meio que solta, sem alguém aqui para manter a disciplina”, disse um dos internos.

continua após publicidade

Gustavo Dante solicitou a condução do interno ao Pronto Atendimento Municipal e cobrou dos presos as constantes tentativas de fugas. “Dr. o senhor sabe que não depende de nós, a gente não pode impedir fuga. Tem vários aqui dentro que foi contra, mas fazer o que, impedir nós não podemos”, comentou um dos rebelados.

Após ouvir as reivindicações, o delegado relatou que vem há mais de três anos pedindo a transferência dos presos condenados, o que aliviaria a situação da carceragem. “Estamos alertando as autoridades responsáveis da situação de vocês aí dentro (carceragem). Solicitamos que pelo menos os presos condenados sejam transferidos para que diminua a superlotação e facilite a administração, mas até o momento tudo isso foi em vão”, relatou Dante.

O delegado disse, ainda que após as fugas constantes, as conversas com as autoridades tem se intensificado. “Ontem (anteontem) mesmo estivemos conversando com autoridades do DEPEN que prometeram providências para breve. Por isso, peço a compreensão de todos”, explicou Dantes.  

continua após publicidade

A carceragem de Ivaiporã tem capacidades para 32 detentos, no entanto, abriga mais de 140, destes metade são de presos condenados. Devido à falta de espaço não existe mais celas separadas e o local é denominado pelos próprios presos como “barracão”.

Nova tentativa de fuga
Segundo o delegado Gustavo Dante, apenas dois dias após a fuga de oito presos há informações do setor de investigação da Polícia Civil que alguns detentos já iniciaram um novo túnel. “A estrutura da cadeia é bastante antiga, o piso está bastante fragilizado e isso facilita essas tentativas de fugas por parte de alguns presos.  Essa noite (ontem) só não ocorreu uma nova fuga porque investigadores e agentes ficaram 24 horas monitorando e cercando o prédio”, completa Dante.