Região

Mãe de Ariele reza pela volta da filha

Da Redação ·
Emocionada, Neusa relembra o desaparecimento de Ariele
fonte: Ivan Maldonado
Emocionada, Neusa relembra o desaparecimento de Ariele

Um ano e três meses após o desaparecimento misterioso da filha Arieli, a dona de casa Neusa de Assis revela que rezou muito para que o bebê Nicolas fosse encontrado. Ele foi sequestrado na última quarta-feira (11) no Hospital da Providência, em Apucarana e encontrado pela polícia no dia seguinte em Cambé. A mãe relata que reviveu o dia 15 de maio do ano passado, quando a filha única desapareceu. “Rezei muito, e fiquei imaginando o sofrimento dos pais do nenê. Não queria que eles passassem pelo que estou sofrendo. É uma dor muito grande, uma angustia aqui dentro, que não tem remédio”. Ela relata ainda, que ficou aliviada quando soube que Nicolas tinha sido encontrado. “Graças a Deus eles puderam ter seu filho de volta. Vou continuar rezando para que Nicolas tenha uma vida feliz e para que um dia eu também possa pegar minha Arieli no colo mais uma vez”, desabafa Neusa
Na época do desaparecimento, Ariele Botelho tinha dois anos e cinco meses. Ela sumiu do quintal da residência onde morava, no Sitio São Francisco, na localidade Água da Barra Preta, em Lidianópolis, hoje eles moram em uma casa humilde na Rua Tupinambás, em Jardim Alegre. Por mais de quinze dias, soldados do Corpo de Bombeiros de Ivaiporã acompanhados de moradores voluntários da localidade fizeram à varredura num raio de aproximadamente 10 quilômetros. Até equipes de cães farejadores vasculharam as matas e os córregos da região, mas nada foi encontrado.
O Delegado Osnildo Carneiro Lemes que acompanhou o caso, disse que ainda não perdeu a esperança de encontrar a menina com vida. Segundo ele, todas as hipóteses, a principio formuladas, como a possibilidade dela ter sido morta e enterrada no sitio, de ter caído no córrego ou ter sido atacada por um animal selvagem foram investigadas e descartadas.
A polícia ainda trabalha com a possibilidade de a criança ter sido sequestrada ou passada para outra família. No dia do desaparecimento, oito pessoas da família se encontravam no local e ninguém viu nada. “É um caso difícil, contudo, não existe caso insolúvel, existe caso que ainda não foi solucionado”, assinala Lemes.

continua após publicidade

Desaparecimento Misterioso

O desaparecimento de Arieli é cercado de mistérios. Os pais da menina Neusa de Assis e Carlos Botelho haviam se mudado para o sitio há nove dias. A menina desapareceu enquanto brincava no quintal do sítio da família. Neusa conta que estava fazendo polenta para a filha e quando foi chamá-la já não a encontrou.
Nada de estranho foi visto na hora do sumiço, segundo Neusa o sitio era repleto de cachorros, e ninguém chegava a casa sem que não fosse notado. “Só que naquele dia, não teve um latido nenhum e ninguém viu nada”. Um tio da menina que morava no local chegou a ser preso por suspeita de envolvimento com o caso, no entanto, a polícia não conseguiu provas que o ligassem ao crime.