Região

Região vacina 86% do público-alvo contra a gripe “A”

Da Redação ·
A demanda da Sus não para de crescer - (Foto: Delair Garcia/imagem ilustrativa)
A demanda da Sus não para de crescer - (Foto: Delair Garcia/imagem ilustrativa)

Ontem foi encerrada a campanha nacional de vacinação contra a gripe H1N1 em todo o Brasil. A 16ª Regional de Saúde (RS), de Apucarana, atingiu 86,62% do público-alvo, ou seja, cerca de 67 mil pessoas tomaram a dose do imunizante. Entre os 17 municípios integrantes da 16ª, nove ultrapassaram 90% e apenas um não atingiu a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS), de 80%, Faxinal que ficou 75,51%. Já o município com maior índice de vacinação foi Kaloré, 99,57%.

continua após publicidade

O chefe da Divisão de Vigilância em Saúde da 16ª RS, Marcos Costa acredita que o índice de cobertura vacinal na região será maior. “Só vamos ter os números completos na segunda-feira, quando todos os municípios atualizarem o sistema”, justifica. Na 16ª RS, o único grupo que não atingiu a meta foi as gestantes, 61%.

Segundo a assessoria da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), quem ainda não tomou o imunizante deve procurar às unidades básicas de saúde, que devem ter ainda a vacina, uma vez que foi enviado 100% das doses. No Estado, o índice de cobertura vacinal foi de 87%. 

continua após publicidade

Em Apucarana, que imunizou 88% do grupo de risco, a procura pela vacina no último dia de campanha foi intensa. O casal de idosos, Divina, de 64 anos, e Alicindro Romualdo, de 69, há quatro anos não abrem mão do imunizante e foram até a UBS Maria do Café, no Jardim Ponta Grossa, tomar a vacina. “Já tínhamos vindo antes, mas não tinha a vacina. Depois que tomei a vacina nunca mais fiquei com gripe nem pneumonia”, diz a idosa.

A dona de casa Kelle Esteve,28, também aproveitou ontem para levar o filho João Guilherme, de dois anos e oito meses, para ser vacinado. O motivo de não levar antes, segundo ela, foi o receio da vacina causar alguma reação. “Ele também estava fazendo tratamento com antibiótico e precisei esperar. A médica dele me explicou que a vacina não fazia mal e, então, decidir trazer”, revela.