Região

Procura por CNHs cai 50% em Arapongas e 35% em Apucarana

Da Redação ·
Centros de Formação de Condutores reclamam da queda na procura | Foto: Delair Garcia
Centros de Formação de Condutores reclamam da queda na procura | Foto: Delair Garcia

Tirar a carteira de motorista faz parte do sonho de muita gente, porém a retração econômica tem adiado este desejo para muitos e exigido jogo de cintura dos empresários do setor. A procura para fazer a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) diminuiu em média 35% no último trimestre de 2015.O período de férias é justamente a época de maior fluxo de alunos nas autoescolas em Apucarana por conta também do 13º salário. O percentual tem como referência o relatório de abertura de processos de habilitação pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran). Em Arapongas, empresários do setor estimam queda maior, de 50%.

O presidente da Associação dos Centros de Formação de Condutores de Apucarana, Rildo Galeriani do Nascimento, explica que a queda é justificada por dois motivos: implantação da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) em Marilândia do Sul, em abril, e a crise econômica. Com a implantação da nova Ciretran em Marilândia, explica ele, Apucarana deixou de receber processos de Califórnia, Rio Bom e o próprio município de Marilândia do Sul. Ele destaca ainda que a tendência de retração deve piorar neste ano por conta da obrigatoriedade do simulador (ver box)

continua após publicidade

Para tentar atrair os candidatos a motoristas, os centros de condutores não só têm parcelado em dez vezes sem juros no cartão de crédito, como ‘congelado’ preços. Um exemplo é o empresário Giovane Vitalino, que resolveu não aplicar o reajuste de 15%, que ocorreu no final de 2014. Dono de uma autoescola há seis anos, ele avalia que a medida é essencial para continuar no mercado. “Também tivemos reajuste nos preços de água, luz e combustível, mas não conseguimos passar aos nossos clientes, porque a procura caiu muito nos últimos meses”, avalia. Ainda de acordo com Vitalino, a procura por parcelamentos também aumentou este ano. “Desde maio, o movimento tem registrado queda e o pedido por parcelamentos tem aumentado”, afirma. ARAPONGAS

ARAPONGAS = A situação de retração de mercado também é sentida em Arapongas. Outro empresário que diz que não repassou os aumentos aos clientes é Leovaldo Giroldo, de Arapongas. “Ainda estamos conseguindo segurar os preços, mas com a chegada do simulador, com certeza, o processo ficará mais caro”, acredita. Giroldo, que trabalha no ramo desde 1974, avalia que 2015 foi o ano mais crítico para o setor. “A procura caiu em 50% nos últimos três meses. Nunca passei por um ano tão difícil”, destaca. Para conseguir fechar negócios com interessados, ele revela que tem negociado o preço pessoalmente e, em alguns casos, feito o valor de 2014, conforme a forma de pagamento. (Colaborou Renan Vallim)

Simulador vai deixar conta mais ‘salgada’ Outro fator que pode comprometer ainda mais as situações das autoescolas, segundo Rildo Galeriane do Nascimento, é a implantação do simulador de direção, previsto para inicialmente para janeiro, mas transferido para junho. “Estamos brigando na Assembleia para que esta medida não seja obrigatória, e sim opcional. Caso isso não aconteça, o processo se tornará ainda mais caro”, avalia. De acordo com ele, o simulador exige adequação de espaço físico e investimento em torno de R$ 42 mil. Outra opção é alugar o programa por aula, que sairia, neste caso, por R$ 15. “O aluno vai pagar mais por menos tempo de prática, uma vez que a aula de direção na rua é de 50 minutos, e no simulador 30”, compara. Caso a implantação se torne obrigatória, Nascimento avalia que vai acabar resultando em mais demissões. “Alguns centros de condutores já têm demitido profissionais e reduzido a frota. Não estamos conseguindo repassar as taxas para os alunos e, no início de 2016, estão previstos novos reajustes das taxas do Detran”, diz.

continua após publicidade

Alunos parcelam ‘sonho’ de dirigir O operador de bordado Cleiton Cordeiro, 22 anos, de Apucarana, vai realizar o sonho de ter a carteira nacional de habilitação (CNH). Ele dividiu o processo em cinco vezes no boleto. “Há seis meses, eu comecei a planejar a habilitação. Economizei por três meses e agora estou fazendo as aulas práticas”, diz. Já o mecânico Adilson Francisco dos Santos, 43, parcelou o valor em dez vezes no cartão de crédito. “Daria para fazer em menos vezes, mas com as contas de fim de ano, ficaria mais difícil. O parcelamento facilitou bastante”, diz. Fransuelen Renata da Silva Pereira, 18, não precisou desembolsar nada. Quem custeou o processo da habilitação foi o pai Francisco Carlos Pereira. “Ele fez em duas vezes no cheque. Se fosse para eu pagar, ficaria mais complicado. Eu teria que parcelar em mais vezes”, admite.