Região

Falha humana é responsável por 90% dos acidentes de trânsito

Da Redação ·
 Acidente em Cambira entre um Pálio e uma caminhonete causou a morte de uma jovem
fonte: Delair Garcia
Acidente em Cambira entre um Pálio e uma caminhonete causou a morte de uma jovem

Todos os anos 40 mil pessoas perdem a vida no trânsito brasileiro. Somente no último final de semana cinco pessoas morreram em acidentes na região de Apucarana.


Na sexta-feira, uma colisão frontal entre um corsa e um pálio, na BR 376 em Marilândia do Sul, vitimou uma criança de dois anos e uma mulher, de 59 anos.


Já no sábado, uma jovem de 19 anos morreu após bater seu carro em uma caminhonete, em Cambira.
No domingo, mãe e filha morreram na BR 369, em Arapongas.


A violência no trânsito em 90% dos casos é decorrente de falha humana.“As principais causas é a imprudência ao volante. Neste final de semana na nossa região tivemos acidentes trágicos e em alguns casos ficou constatado que houve imprudência de alguns condutores”, avalia o inspetor da Polícia Rodoviária Federal de Apucarana e Mauá da Serra Pedro Faria.


Entre as imprudências determinantes para acidentes fatais estão o excesso de velocidade, a embriaguez ao volante, o desrespeito à sinalização de trânsito, e a condução de veículos sob o efeito de drogas.


“O excesso de velocidade aliada com a ultrapassagem mal sucedida, normalmente, causa a colisão frontal, que resulta em acidentes de grande monta, que vem vitimando as pessoas. A orientação da Polícia Rodoviária Federal é para que os motoristas dirijam com prudência, com responsabilidade, com atenção e obedeçam as leis de trânsito para que todos tenham uma viagem segura”, orienta o inspetor.


Mas quando a viagem é interrompida por acidentes, os danos psicológicos, econômicos e sociais causados podem ser imensos. As consequências vão desde um simples stress até a depressão.


A pessoa caminha deste uma ansiedade generalizada, deixa de ter contato com o outro, ou seja, a vida produtiva e social dela acaba prejudicada, e acaba muitas vezes partindo para outros caminhos, como a depressão e a agressividade, que precisam ser tratadas”, avalia a psicóloga especialista em psicologia de trânsito a Rosângela Bacron. A profissional ainda acrescenta o ponto de vista econômico. “Quando a família perde alguém ou existe alguém acidentado, automaticamente deixa de ter qualidade de vida. “Então, o nível socioeconômico cai, a questão social também cai”, analisa.


Ela também ressalta o dano à saúde pública que recai sobre o com os custos de tratamento, auxílio previdenciário, pensão e auxílio doença.
 

continua após publicidade

Rosangela alerta sobre a necessidade de uma boa formação para a obtenção da habilitação e a importância do equilíbrio psicológico na direção.


“No momento em que percebemos qualquer problema com esse usuário e vamos transferir a ele, a primeira reação é de muito desequilíbrio emocional. Ele passa a negar que existe algum problema. O que precisa entender é que a habilitação que está prestes a receber, o documento que vai receber, é um porte para vida toda. E que vai colocar a vida dele, da família e das outras pessoas em risco, por isso, precisa esta cada vez mais treinado e habilitado para isso”, assinala.


Dirigir pode ser tornar uma atividade mais tranquila com a mudança de algumas atitudes. A primeira seria mudar o jeitinho brasileiro de deixar tudo para a última hora, como sair com antecedência e checar os itens de segurança do veículo.