Região

Seis pessoas morrem afogadas no Paraná

Da Redação ·
Entre as vítimas está Lucas Cortiano, de 20 anos, que morreu afogado em Cândido de Abreu - Foto: Reprodução
Entre as vítimas está Lucas Cortiano, de 20 anos, que morreu afogado em Cândido de Abreu - Foto: Reprodução

MATÉRIA ATUALIZADA ÀS 12h55 - Pelo menos seis morreram afogadas em todo o Paraná entre a noite de sábado (19) e o início da tarde de domingo (20). Bombeiros alertam que no calor esse tipo de ocorrência é mais frequente e recomendam cautela a banhistas. 

O primeiro afogamento aconteceu Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, onde um adolescente de 17 anos foi encontrado morto pelos Bombeiros em uma cava da rua Maria Moreira da Silva, no jardim Tropical, no final da noite de sábado. 

Os bombeiros também resgataram o corpo de Adilson Reis de Pinho, de 35 anos, no município de Nova Aurora (Oeste do Paraná), já no início da madrugada de domingo. O homem morreu afogado durante uma pescaria no rio Piquiri, às margens da PR-180. 

VALE DO IVAÍ - O terceira afogamento foi registrado em um córrego da propriedade rural Linha Jacaré, em Cândido de Abreu, na região do Vale do Ivaí, por volta das 13 h de domingo. No local, os bombeiros resgataram o corpo de um jovem de 20 anos, identificado como Lucas Cortiano. 

Já a quarta aconteceu em uma das praias de Guaratuba, no Litoral do Paraná, por volta das 14h de domingo. Na ocasião, os bombeiros conseguiram resgatar a vítima - um adolescente de 16 anos - com vida da água, mas ela morreu a caminho do pronto-socorro.

continua após publicidade
continua após publicidade

RIO PIRAPÓ - No Rio Pirapó, em Uniflor, o corpo de Paulo Valaderi foi encontrado por mergulhadores dos Bombeiros na manhã desta segunda-feira. A adolescente Cassia Beatriz Ferreira, 16 anos, que estava com o rapaz, continua desaparecida. Eles estavam em um afluente do rio e acabaram sendo arrastados pela correnteza.


ALERTA - O Corpo de Bombeiros afirma que 85% dos afogamentos poderiam ter sido evitados com medidas de prevenção, supervisão e alerta.

PRAIAS - Nas praias, por exemplo, as medidas de prevenção incluem perguntar ao guarda-vidas qual é o melhor lugar para banho e sempre nadar próximo ao local indicado; não consumir bebida alcoólica e nem alimentos pesados antes do banho de mar; nadar longe de pedras, estacas ou piers; e respeitar as placas e bandeiras de perigo na praia. 


PISCINAS - Em piscinas, é preciso ter cuidado ao mergulhares em locais rasos; desligar o filtro quando alguém estiver na água; e ter grades ao redor para dificultar o acesso de crianças. Em água doce ou salgada, o recomendado é que o banhista procure locais rasos e sem correnteza e use o colete salva-vidas, especialmente em crianças. Boias e pranchas passam falsa sensação de segurança, por isso prefira o colete salva-vidas.

O ideal é não tentar salvar vítimas de afogamento sem estar habilitado. Para ajudá-las, lance na água algum objeto (corda, pedaço de madeira, pneu) que a ajude a flutuar e avise a emergência. Em rios, há perigo de haver buracos no leito e entulhos, nos quais a pessoa pode se enroscar e ficar ferida. A recomendação é que se não conhecer o local, não entre.



Fonte das informações: Bonde e odiario