Região

54ª DRP investiga suspeita de incêndio criminoso em Ariranha

Da Redação ·
O prédio que abrigava a Apae e a secretária de Educação foi totalmente destruído (Foto/Ivan Maldonado)
O prédio que abrigava a Apae e a secretária de Educação foi totalmente destruído (Foto/Ivan Maldonado)

A 54ª Delegacia Regional da Policia Civil 54ª DRP investiga um suposto incêndio criminoso na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) e na Secretaria Municipal de Educação de Ariranha do Ivaí, na noite de sábado (5), por volta das 23 horas. O vigilante noturno, Edmar Ferreira José, conhecido como Dimas, disse que viu quatro pessoas correndo a pé em direção a duas motos, logo após o início de incêndio. O prédio era alugado pela prefeitura, que cedia o espaço também para o funcionamento da escola especial.

continua após publicidade

Em contato com o vigilante Dimas, ele confirmou a suspeita de incêndio criminoso. “Eu ouvi um barulho diferente, como se a pessoa colocasse fogo em gasolina. Quando eu vi que o fogo já estava tomando conta de boa parte do prédio fui acordar o proprietário que mora numa casa nos fundos”. Dimas comenta que ao bater na janela da casa do dono do prédio, ele viu quatro pessoas correndo em um terreno baldio nos fundos da propriedade. “No que eu voltei para o portão eu vi eles novamente saindo em duas motos”.

Na tarde de ontem o delegado Gustavo Dante ouviu alguns funcionários da Apae e da secretaria de Educação. “Chegou a ser noticiado que a Apae estaria realizando uma investigação sobre um suposto crime contra menores  e isso teria motivado o incêndio. Isso não é verdade e não tem nenhum sentido”.  Dante disse que até não descarta a possibilidade de um incêndio criminoso, porém por vandalismo. “Mas também estamos verificando a hipótese de curto circuito, já que se tratava de um prédio antigo e a fiação elétrica também era ultrapassada”, comenta Dante. 

continua após publicidade

Nesta quarta-feira (9) o delegado vai ouvir o vigilante Dimas. Ele diz que o vigia é peça fundamental para o esclarecimento dos fatos. “Aguardamos também as informações do Corpo de Bombeiros e já requisitamos os vídeos da câmara de vigilância do Posto de Gasolina que fica em frente ao prédio. Acredito que em 30 dias os fatos serão esclarecidos”, assinala Dante.