Região

Ivaiporã reinstala conselho municipal antidrogas

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Ivaiporã reinstala conselho municipal antidrogas
Ivaiporã reinstala conselho municipal antidrogas

Depois de três anos de inatividade, foi reinstalado na noite desta quarta-feira (27) em Ivaiporã, o Conselho Municipal Antidrogas (COMAD). A reinstalação ocorreu durante a 1ª Conferência Municipal Antidrogas, organizada pelo Departamento de Assistência Social, no Centro Cultural Melhor Idade. A diretoria interina é formada por 24 integrantes, 12 representantes da sociedade civil e 12 de entidades públicas, que deverão se reunir nos próximos 30 dias para eleição da diretoria eletiva.

continua após publicidade

Segundo a diretora municipal de Assistência Social, Gertrudes Bernardy, o COMAD tem como objetivo instituir e desenvolver as políticas municipais, auxiliando nas ações de redução da demanda de drogas, acompanhar o desenvolvimento das ações de fiscalização e repressão, bem como, propor ao executivo e legislativo medidas que assegurem o cumprimento dos compromissos assumidos mediante a instituição da lei.

“A partir da criação desse conselho o município terá políticas próprias ao combate, à prevenção, a promoção de saúde e ao tratamento”, destaca Gertrudes. Ela também revelou a intenção da Prefeitura em instalar ainda neste ano, um Centro de Atenção Psicossocial, Álcool e Drogas (CAPS’ad ) no município.

continua após publicidade

O delegado da 54ª DRP, Gustavo Dante participou da conferência municipal e elogiou a formalização do COMAD. De acordo com Dante, a polícia faz o papel institucional ao prender os traficantes de drogas, mas só isso, não causa o resultado desejado. “Nós precisamos de conscientização. Não havendo uso, não há tráfico de drogas. Por isso, o conselho é de fundamental importância para orientar a população sobre o consumo de entorpecentes e seus efeitos maléficos”, disse Dante.

Para promotor Bruno Monteiro de Castro Brandão, a reinstalação do COMAD no município é muito bem-vinda. Segundo ele, é a participação direta da comunidade nos problemas com drogas na cidade e o retorno pode ser imediato. “Não só através da cobrança de seus representantes, mas através de intervenção direta. Por isso, que os conselhos devem ser paritários”, assinala Brandão.

De acordo com o tenente da 6ª CIPM, Anderson Vale de Oliveira, o conselho vem para somar esforços junto às entidades já existentes. "A importância desse projeto é imensurável para a sociedade. Se às drogas forem combatidas na raiz, o resultado é ter em longo prazo uma sociedade praticamente livre do uso de entorpecentes. O conjunto de forças de vários órgãos é que vai fazer a redução dessa utilização de drogas pela sociedade”, completa Oliveira.