Região

Presos suspeitos de roubo ao BB em Borrazópolis

Da Redação ·
Momento das prisões realizados hoje em Borrazópolis
fonte: Ronaldo Senes (Berimbau)
Momento das prisões realizados hoje em Borrazópolis

O suposto seqüestro seguido de roubo na agência do Banco do Brasil de Borrazópolis, ocorrido no dia 2 de março, começou a ter um desfecho hoje (7 de abril). Três homens e uma mulher foram presos por policiais da 17ª SDP de Apucarana e do Grupo Tigre, de Curitiba, por suposto envolvimento no caso. O cumprimento dos mandados de prisão foi coordenado pelos delegados Gabriel Junqueira (chefe da 17ª SDP), e Riad Farah, do Grupo Tigre. Entre os detidos estão a bancária Carolina Mota de Oliveira e seu marido, Diego Moraes.  Outro homem foi preso em Faxinal e o quarto suspeito acabou detido fora do Paraná. Todos serão apresentados à imprensa hoje à tarde, em Curitiba, para onde foram levados para o Grupo Tigre.

continua após publicidade

No dia 2 de março, dois homens armados supostamente invadiram primeiramente a casa da funcionária Carolina Mota de Oliveira (detida), assistente de Negócios do Banco do Brasil (BB) de Borrazópolis. Simultaneamente, eles foram a casa de um segundo funcionário de nome Leandro, que é gerente de módulo, e fizeram o bancário, sua esposa e um filho da casal com reféns.

Em seguida todos foram trazidos para a primeira casa, a de Carolina, onde foram mantidos em cárcere privado durante sete horas. Os ladrões tinham um objetivo, levar um malote com uma importância significativa que chegaria ao banco por volta das 13h30. Por isso, os dois funcionários receberam ordens para voltar a agência bancária e trabalharem como se nada estivesse acontecendo. Logo que o malote chegou, Leandro entregou o malote com mais de R$ 400 mil aos bandidos por uma janela de vidro na lateral do Banco do Brasil, em local de fácil acesso.

continua após publicidade

Os ladrões deixaram Borrazópolis no carro da bancária Carolina, um Hiunday, e anunciaram que supostamente por garantia levariam de refém o marido dela, Diego Moraes (detido). Os assaltantes ameaçaram: caso a polícia fosse avisada, ele morreria. Somente depois que o banco fechou é que a PM tomou conhecimento dos fatos. Os reféns foram libertados pelos PM de Borrazópolis na casa de Carolina. O carro da bancária e o refém Diego Moraes foram deixados em Caetano Mendes, região de Imbaú.