Região

Estudante de Mandaguari vence concurso de moda

Da Redação ·
Na passarela, a pequena modelo apresenta a roupa auxiliada pela irmã gêmea na condução da cadeira de rodas - Foto: Coordenadora de Imprensa  Cesumar
fonte:
Na passarela, a pequena modelo apresenta a roupa auxiliada pela irmã gêmea na condução da cadeira de rodas - Foto: Coordenadora de Imprensa Cesumar

A estudante do terceiro ano de moda da Unicesumar, Jéssyca Ghirardi, moradora de Mandaguari, venceu o Concurso Internacional de Moda Inclusiva, promovido pela Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo. Em sua sexta edição, o concurso recebeu inscrições de todo o Brasil e teve 20 concorrentes na final, entre profissionais e estudantes. A final do concurso aconteceu no dia 15 de agosto, no Centro de Convenções do Anhembi, em São Paulo.

continua após publicidade

Para Jéssyca Ghirardi, a participação lhe trouxe uma grande experiência e inspiração ainda maior para pensar em alternativas de roupas para esse público. Com base no tema Casa de Bonecas, a estudante criou uma fantasia de boneca que se transforma em um vestido casual pela própria criança. “A peça conta com todos os detalhes de uma casinha, desde os telhados que são representados por babados, as cortinas presentes nas saias, janelas no corpo do vestido e até as mangas de uma roupa de boneca”, explica a estudante.

O concurso tinha como proposta a criação de roupas para pessoas portadoras de deficiência, de todos os gêneros e idade. Na avaliação de Jéssyca, o diferencial de sua roupa, feita meninas com idade entre 4 e 12 anos, está na independência que proporciona para a criança.  O vestido tem saia na frente, mangas presas por botões (para permitir que a menina remova), abotoamento também frontal e nos ombros, além de uma bolsa em forma de casinha para guardar a sonda.

continua após publicidade

“Penso que muita gente não entende o espírito da moda inclusiva. Não se trata de criar uma moda diferente, mas adaptar o que já existe no mercado para que haja facilidade para essas pessoas. Conseguir transformar a própria roupa estimula a independência da criança desde cedo”, comenta a estudante, que encontrou inspiração em sua história de vida. Quando criança e adolescente, Jéssyca acompanhava a mãe em um trabalho voluntário na Apae de Mandaguari, onde mora.

Jéssyca ganhou como prêmio o contrato de um mês de estágio na Vicunha Têxtil, uma das maiores indústrias têxteis do mundo, patrocinadora oficial do concurso. Além deste e outros prêmios, a estudante diz se sentir feliz pelos muitos contatos que manteve durante o concurso, como o estilista Mário Queiroz, um dos mais reconhecidos hoje do Brasil, que esteve presente na comissão julgadora.