Região

Ataques de cobras assustam moradores de São João do Ivaí

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Ataques de cobras assustam moradores de São João do Ivaí
Ataques de cobras assustam moradores de São João do Ivaí

Nos últimos 30 dias, quatro vacas holandesas foram mortas por picada de cobra, na Estância Calixto, na localidade de Prainha, em São João do Ivaí. Além dos prejuízos financeiros, as mortes das matrizes leiterias também causam medo e apreensão. Moradores relatam que após as enchentes de junho, as serpentes passaram a ser vistas com mais frequência em pastos e lavouras da região. Nas margens do Rio Ivaí, em São Pedro do Ivaí, também foram registradas mortes de animais por picadas de cobra. Os prejuízos ultrapassam R$ 30 mil.

Após a última morte na semana passada, o caseiro Julio César Costa diz ter identificado uma urutu na pastagem. Segundo ele, a cobra tinha pelo menos 1,20 metros e coloração escura com detalhes brancos. “Ela estava enrolada próxima ao local onde encontramos uma das vacas mortas. Quando fui pegar, ela rastejou rumo ao banhado e sumiu”.

Há cerca de 15 dias, dois animais foram mortos em menos de 12 horas. “Uma nós encontramos no início da noite, no outro dia cedo, quando retornei no local, encontrei outra vaca morta”, relata Costa.

O medo de ser picado por cobras tem deixado moradores e pescadores intranquilos. “Eu moro com minha esposa e meu filho aqui. Meu maior medo é acordar um dia com um bicho desses dentro de casa ou até mesmo meu filho que sempre brinca no terreiro acabar sendo atacado”, diz Costa.

ESTATÍSTICA
A preocupação dos moradores de São João do Ivaí encontra respaldo nos números. Segundo levantamento da 22ª Regional de Saúde de Ivaiporã, nos últimos cinco anos foram registrados 794 acidentes de pessoas com animais peçonhentos. Neste ano, 80 casos de acidentes foram contabilizados.
Contudo, segundo as estatísticas, as cobras não estão entre as principais causadoras dos acidentes. As aranhas lideram a lista, com 492 casos em 5 anos. As serpentes, entretanto, ficam em segundo, com 188 ocorrências. O último registro de óbito causado por serpentes foi registrado em Cândido de Abreu, há dois anos.

O responsável pelo setor de Epidemiologia da 22ª RS, Cláudio Nunes, alerta para o cuidado com os animais peçonhentos principalmente nos períodos de chuva, quando a água espanta os animais de seus habitats naturais. 
“Normalmente os acidentes que envolvem pessoas acontece por descuido. As pessoas não percebem a presença desses animais ao calçar um sapato, por exemplo”, comenta ele.
 

continua após publicidade