Região

Infestação do Aedes cai em Apucarana

Da Redação ·
 Arquivo TN
fonte: Apucarana teve redução no índice sobre infestação do mosquito transmissor da dengue
Arquivo TN

ï»O índice de infestação do mosquito transmissor da dengue caiu de 7,9% para 3,6% em Apucarana. O percentual é calculado a partir do número de imóveis em que o criadouro do Aedes aegypti é encontrado a cada 100 locais vistoriados. O recomendado pelo Ministério da Saúde é que o índice fique abaixo de 1%.
ï»De acordo com o Levantamento de Índice Rápido do Aedes Aegypti (LIRAa) realizado pela Autarquia Municipal de Saúde (AMS), entre os dias 5 e 9 de abril, os bairros com maior percentual em relação a focos da dengue são o Jardim das Flores, Jardim Esperança, Prefeitura, Vila Formosa e cemitérios da Saudade e Cristo Rei. Nestes locais, o índice registrado foi de 5,6%. No início do ano, o percentual era de 9,8.
ï»Já o menor índice de infestação – 1,9% - foi encontrado nas regiões do Posto Catarina, João Paulo, Sol Nascente, Osmar Guaracy Freire, Interlagos, Vila Regina, Vila Apucaraninha, Barra Funda, Lago Jaboti e bairro 28 de Janeiro.

continua após publicidade


A diretora da AMS, Maria Neusa de Oliveira, avalia que a redução pode ter sido influenciada pela aprovação da lei municipal que prevê multas a donos de imóveis com criadouros da dengue. “Mesmo não estando na ativa ainda, a legislação já começou a preocupar as pessoas. Elas sabem que será cobrado um cuidado maior”, pontua.


Segundo ela, os criadouros do Aedes devem começar a pesar no bolso dos apucaranenses no início de maio. “Estamos acertando os últimos detalhes para usar a lei”.

continua após publicidade


Maria Neusa também assinala que a intensificação nos trabalhos voltados ao combate à dengue colaboraram para o resultado positivo neste LIRAa. “Investimos em orientação junto a escolas e campanhas na mídia”, define.


Neste ano, Apucarana já contabiliza 73 casos suspeitos de dengue. Destes, 42 foram descartados e cinco confirmados. De acordo com a 16ª Regional de Saúde (RS), quatro são importados e um, autóctone. Em 2009, o município registrou dois casos da doença.