Região

Cacique é preso por arrendar terra de reserva em Manoel Ribas

Da Redação ·

Policiais federais lotados em Guarapuava realizaram, na tarde de quarta-feira (13), a Operação Forte Apache 2, para o cumprimento de nove mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva, expedidos pela Justiça Federal em Guarapuava e pela Justiça Estadual em Manoel Ribas. Todas as buscas, que visam essencialmente à apreensão de documentos que reforcem as provas já obtidas, estão sendo realizadas no município de Manoel Ribas, inclusive na casa, que fica na Reserva Indígena, do vereador e cacique de Manoel Ribas, Dirceu Retanh Pereira Santiago, que também é Vice-Presidente do Conselho dos Caciques Indígenas da região de Guarapuava. O vereador foi preso por uma equipe da Polícia Federal em outra reserva indígena - de Mangueirinha -, após uma reunião que contou com a presença de representantes da Funai, e de caciques e vice-caciques de oito aldeias da região, que na ocasião o elegeram presidente do Conselho dos Caciques. O cacique é investigado principalmente pelo arrendamento ilegal de terras indígenas que vem fazendo desde o ano de 2005, que é proibido pelo art. 18 e §1º da Lei 6.001/73, e que resulta nas penas do art. 2º caput e §1º da Lei n. 8.176/91. Outros crimes como os de ameaça, constrangimento ilegal, corrupção, apropriação indébita, bando armado, posse e porte ilegal de armas de fogo, crime ambiental e eleitoral são investigados. Testemunhas apontam também que referido cacique está por trás da destituição de vários caciques da região para nomeação de outros de sua confiança, inclusive o episódio ocorrido na Reserva Indígena de Ortigueira, na madrugada de 4 de setembro, onde houve o assassinato de dois índios, muitos outros feridos, além de roubo, incêndio e expulsão do cacique local. O cacique Dirceu Retanh Pereira Santiago foi levado para a Superintendência da Polícia Federal do Paraná, onde está à disposição da Justiça.

continua após publicidade