Região

Prefeito de Bom Sucesso veta aumento dos cargos executivos

Da Redação ·
De pé, o presidente da Câmara de Bom Sucesso, Raimundo Severiano Júnior (PSC); à direita o vereador Claudionor Benedetti (PMDB)
fonte: Arquivo TN Online
De pé, o presidente da Câmara de Bom Sucesso, Raimundo Severiano Júnior (PSC); à direita o vereador Claudionor Benedetti (PMDB)
continua após publicidade
O prefeito de Bom Sucesso, José Edilson Vanzella (PSDB) anunciou nesta quarta o veto ao  Projeto de Lei n°  002/2012 da Câmara dos Vereadores que aumentava o salário do prefeito, vice-prefeito e secretários 150% para a legislatura de 2013 a 2016. O projeto de lei foi votado no início de abril 30 minutos antes de começar a sessão ordinária, e teve alta repercursão negativa entre a população da cidade com pouco mais de 6 mil habitantes, há 60 quilômetros de Apucarana.
 
Com o veto, o prefeito devolve o texto para a análise dos vereadores e deixa determinado o mesmo valor do salário para o prefeito, vice-prefeito e secretários que estiverem no próximo mandato. O projeto porém, não impede o aumento dos cargos do legislativo. "O que está ao meu alcance é vetar o aumento do executivo. Já o salário dos vereadores não está ao meu alcance, mas se pudesse eu vetava também".
 
O prefeito justifica que sua decisão foi embasada no fato de que o valor fixado diante da sua visão é abusivo para o município "Pagar mais de 2 mil reais para os vereadores em Bom Sucesso é uma afronta com a população. Somos um município pobre", conta.
 
Durante a votação do projeto, o único vereador que se opôs ao novo salário foi Claudionor Benedetti, o Claudião do PMDB. Segundo ele, o aumento é inaceitável para um município no tamanho de Bom Sucesso "Um salário assim é brincar com a cara da população. É extremamente absurdo esse projeto".
 
Claudião também afirma que é possível sim que o prefeito acabe vetando este projeto. "Eu sei de lugares onde o prefeito conseguiu vetar o aumento dos vereadores e é para isso que vamos trabalhar agora. Tentaremos um abaixo assinado com a população, e em seguida encaminhar para as vias competentes da lei", conta.